Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Morte made in Brazil: conflitos no Oriente Médio alavancam exportação de armamento do país

Uma missão árabe chegou ao Brasil interessada na compra de cargueiros KC-390 fabricados pela Embraer. A visita é resultado do esforço do Grupo Parlamentar Brasil-Arábia Saudita, criado no início deste mês, para aproximar os dois países no campo de defesa militar.
Sputnik

O KC-390 vai substituir os Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), é o maior avião produzido na América e foi concebido como um jato militar de transporte, anunciado pela primeira vez na edição de 2007 da Latin America Aero & Defence (LAAD), no Rio de Janeiro. A produção do avião, com capacidade para 23 toneladas de carga, envolve parcerias com fornecedores de peças de Argentina, Portugal e República Tcheca. Com um custo unitário de US$ 85 milhões, o KC-390, em fase final de testes, tem recebido propostas de compra de vários países.



A compra do cargueiro, porém, é apenas um detalhe na exportação brasileira de armamentos não só para a Arábia Saudita, como também para vários países do Oriente Médio e do Norte d…

EI executa um dos líderes do grupo em Al Raqqa por facilitar fuga de civis

Ele era responsável por um posto de controle da organização no sul da cidade de Al Raqqa.


EFE

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) executou um dos líderes da organização na província de Al Raqqa, no norte da Síria, após ele ter facilitado a fuga de civis para fora de territórios controlados pelos extremistas, informou nesta quinta-feira (2) o Observatório Sírio de Direitos Humanos. 

Resultado de imagem para estado islamico raqqa
Estado Islâmico crucifica cidadão de Raqqa, na Síria | Divulgação

O líder do EI foi executado nas últimas 48 horas depois de ter sido capturado com outros seguidores do grupo, explicou o Observatório. Ele era responsável por um posto de controle da organização no sul da cidade de Al Raqqa e foi acusado de ter facilitado a saída de civis da região.

Segundo o Observatório, ele admitiu o "contrabando de muçulmanos para fora do território do califado e que os ajudou a fugir para as terras dos ateus e dos apóstatas".

Ainda não se sabe se outros membros da organização que foram presos com o líder tiveram o mesmo destino.

O EI proclamou no fim de junho de 2014 um califado em parte dos territórios da Síria e do Iraque. Nos locais dominados pelo grupo, os jihadistas aplicam uma versão radical da "sharia" (lei islâmica) e impõem duros castigos aos que transgridem as normas. Entre as punições estão a morte por decapitação e as crucificações.

Postar um comentário