Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

EI executa um dos líderes do grupo em Al Raqqa por facilitar fuga de civis

Ele era responsável por um posto de controle da organização no sul da cidade de Al Raqqa.


EFE

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) executou um dos líderes da organização na província de Al Raqqa, no norte da Síria, após ele ter facilitado a fuga de civis para fora de territórios controlados pelos extremistas, informou nesta quinta-feira (2) o Observatório Sírio de Direitos Humanos. 

Resultado de imagem para estado islamico raqqa
Estado Islâmico crucifica cidadão de Raqqa, na Síria | Divulgação

O líder do EI foi executado nas últimas 48 horas depois de ter sido capturado com outros seguidores do grupo, explicou o Observatório. Ele era responsável por um posto de controle da organização no sul da cidade de Al Raqqa e foi acusado de ter facilitado a saída de civis da região.

Segundo o Observatório, ele admitiu o "contrabando de muçulmanos para fora do território do califado e que os ajudou a fugir para as terras dos ateus e dos apóstatas".

Ainda não se sabe se outros membros da organização que foram presos com o líder tiveram o mesmo destino.

O EI proclamou no fim de junho de 2014 um califado em parte dos territórios da Síria e do Iraque. Nos locais dominados pelo grupo, os jihadistas aplicam uma versão radical da "sharia" (lei islâmica) e impõem duros castigos aos que transgridem as normas. Entre as punições estão a morte por decapitação e as crucificações.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas