Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Fragatas da Espanha e Canadá seguem rumo à Romênia para exercícios da OTAN

As fragatas espanhola e canadense Almirante Juan e St. John's que participam dos exercícios internacionais conjuntos da OTAN e Ucrânia Sea Shield 2017 estão a caminho do porto romeno de Constanta no mar Negro.


Sputnik


A notícia foi dada na quinta-feira (02) por uma fonte militar e diplomática à Sputnik.

Navios militares da OTAN durante exercícios navais no mar Negro perto do porto romeno de Constanta
Navios militares da OTAN no Mar Negro © AFP 2016/ DANIEL MIHAILESCU

No âmbito das manobras no porto, será realizada uma conferência de planejamento militar.

Após isso, os navios de guerra seguirão para o leste do mar Negro, onde praticarão resposta a ameaças aéreas, submarinas e navais, tudo de acordo com os padrões da OTAN.

Os primeiros exercícios navais Sea Shield 2017 tiveram início no dia 1º de fevereiro no aquatório do mar Negro. As manobras contam com participação da Ucrânia e de sete países-membros da OTAN – Romênia, Bulgária, Grécia, Turquia, EUA, Canadá, Espanha e Ucrânia e envolvem 2,8 mil militares, 16 navios de guerra e 10 aviões.

Postar um comentário