Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

ONU condena ataque aéreo a funeral no Iêmen; pelo menos seis mulheres e uma menina morreram

“A maneira pela qual as partes em conflito estão travando esta guerra está causando um sofrimento inaceitável à população do Iêmen. Como ilustrado nessa última tragédia, mulheres e crianças estão pagando com as suas vidas”, disse o coordenador humanitário da ONU no país.


ONU

O coordenador humanitário da ONU no Iêmen, Jamie McGoldrick, condenou ontem (16) o ataque aéreo contra um funeral perto de Sanaa, capital do país. Pelo menos seis mulheres e uma menina foram mortas e outras 15 ficaram feridas no incidente. 


Ataque aéreo no Iêmen deixa ao menos seis mulheres e uma menina mortas. Foto: UNICEF/Mohammed Hamoud
Ataque aéreo no Iêmen deixa ao menos seis mulheres e uma menina mortas. Foto: UNICEF/Mohammed Hamoud

De acordo com o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), as autoridades sanitárias afirmaram que o número de mortos pode subir devido ao estado de saúde grave de alguns feridos.

“A maneira pela qual as partes em conflito estão travando esta guerra está causando um sofrimento inaceitável à população do Iêmen. Como ilustrado nessa última tragédia, mulheres e crianças estão pagando com as suas vidas”, destacou McGoldrick.

O OCHA observou que o incidente ocorre em um momento de extrema dificuldade e sofrimento no país. As restrições que estão sendo colocadas às importações estão causando escassez de alimentos e o aumento dos preços, agravando a insegurança alimentar e a desnutrição em todo o Iêmen.

O declínio econômico causado pelo conflito está levando ao colapso da prestação de serviços básicos. O aeroporto de Sana’a permanece fechado aos voos comerciais, limitando as opções para aqueles que precisam deste serviço para ter acesso a cuidados médicos e restringindo os movimentos dentro e fora do país.

“O povo do Iêmen já sofreu o suficiente. A paz é a única solução para ajudar a acabar com o sofrimento”, disse o coordenador humanitário, pedindo a todas as partes que retornem à mesa de negociações.

Em uma declaração separada sobre o incidente, o enviado especial da ONU para o país, Ismail Ould Cheikh Ahmed, sublinhou que todos os dias, em todo o Iêmen, civis são mortos por ataques indiscriminados das partes em conflito em áreas residenciais.

“Os ataques contra civis são injustificáveis, independentemente das circunstâncias. Mulheres e crianças foram sujeitas a sofrimentos indescritíveis neste conflito brutal. Isso deve parar imediatamente”, disse, pedindo às partes para aderir as suas obrigações no âmbito do direito internacional humanitário, e para respeitar a vida.

O enviado destacou que os conflitos militares em curso na costa do Mar Vermelho estão agravando uma situação humanitária já catastrófica, com dezenas de civis atacados em zonas de guerra, sem acesso à ajuda humanitária e incapazes de fugir.

“As atividades militares na região ameaçam interromper a importação de suprimentos comerciais e humanitários, e podem ter um impacto terrível sobre a segurança alimentar para grande parte da população”, acrescentou Cheikh Ahmed, pedindo a todas as partes que assegurem o livre movimento dos recursos comerciais e humanitários.



Postar um comentário