Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Morte made in Brazil: conflitos no Oriente Médio alavancam exportação de armamento do país

Uma missão árabe chegou ao Brasil interessada na compra de cargueiros KC-390 fabricados pela Embraer. A visita é resultado do esforço do Grupo Parlamentar Brasil-Arábia Saudita, criado no início deste mês, para aproximar os dois países no campo de defesa militar.
Sputnik

O KC-390 vai substituir os Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), é o maior avião produzido na América e foi concebido como um jato militar de transporte, anunciado pela primeira vez na edição de 2007 da Latin America Aero & Defence (LAAD), no Rio de Janeiro. A produção do avião, com capacidade para 23 toneladas de carga, envolve parcerias com fornecedores de peças de Argentina, Portugal e República Tcheca. Com um custo unitário de US$ 85 milhões, o KC-390, em fase final de testes, tem recebido propostas de compra de vários países.



A compra do cargueiro, porém, é apenas um detalhe na exportação brasileira de armamentos não só para a Arábia Saudita, como também para vários países do Oriente Médio e do Norte d…

Pequim obriga submarinos estrangeiros a emergirem e hastearem bandeira nacional

A China está considerando várias emendas à lei de navegação marítima com o fim de limitar a passagem de submarinos estrangeiros por suas águas territoriais, o que cria um motivo de preocupação, levando em conta as tensões acerca do estatuto do mar do Sul da China.


Sputnik

Os legisladores chineses planejam obrigar todos os submarinos de outros países que navegam por suas águas territoriais a emergirem para se apresentarem às autoridades chinesas e as informar sobre suas movimentações.


Submarino de mísseis balísticos da classe Ohio USS Maryland (SSBB 738) se deslocando pelo rio de Saint Marys
Submarino norte-americano de mísseis balísticos da classe Ohio USS Maryland (SSBB 738) © flickr.com/ Gonzalo Alonso

Alguns especialistas assinalam que o caso do drone submarino, capturado no mar do Sul da China e devolvido a Washington em dezembro de 2016, poderá ter provocado tal iniciativa por parte de Pequim.

Embora nestas emendas não se mencionem as disputas marítimas nas quais a China está envolvida e o comunicado oficial também não aluda ao mar do Sul da China, os especialistas insistem que este fato está estreitamente relacionado com as discordâncias entre a China e os outros países da região apoiados por Washington na respectiva disputa.

"Os submarinos estrangeiros que navegam por águas territoriais da República Popular da China devem emergir à superfície hasteando sua bandeira nacional e informar a administração marítima chinesa", comunicou a CNS, Serviço de Notícias da China, citado pela Reuters.



Postar um comentário