Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Bombardeio a mesquita em Aleppo mata 42

ONG diz que ataque foi lançado por aviões não identificados e alerta que número de mortos deve subir


O Estado de S.Paulo

CAIRO - Pelo menos 42 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas nesta quinta-feira no bombardeio a uma mesquita no oeste da cidade de Aleppo, no norte da Síria, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos. A ONG detalhou que o ataque aconteceu na cidade de Alyina, situada ao sudoeste de Al-Atareb.



Síria
Forças do governo Assad avançam em bairro da cidade de Aleppo | Foto: AFP / GEORGE OURFALIAN

O Observatório disse que aviões não identificados promoveram um "massacre" e causaram "grande destruição" no templo. A ONG alertou que o número de mortos pode aumentar, pois há feridos em estado grave.

O ataque ocorreu durante a oração de Al Ishá, a última do dia, razão pela qual havia fiéis no interior da mesquita e ainda estão sendo retirados corpos de debaixo dos escombros. O Observatório acrescentou que a maior parte das vítimas é de civis.

A ONG também informou que três pessoas morreram anteriormente em bombardeios sobre áreas do oeste da Província de Aleppo, da qual a cidade homônima é capital.

Essa parte da região está sob o controle de grupo rebeldes opositores, que costumam ser alvo de bombardeios do Exército sírio, assim como da aviação da Rússia, que apoia as forças governamentais no terreno.

Na quarta-feira foi o sexto aniversário do começo do conflito na Síria, no qual morreram 321.358 pessoas, das quais 96.073 civis, segundo a última apuração do Observatório. (EFE
)

Postar um comentário