Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel prende o governador palestino de Jerusalém

Motivo da detenção foram crimes cometidos na Cisjordânia ocupada, segundo a Organização para a Libertação da Palestina.
France Presse

Israel prendeu o governador palestino de Jerusalém por crimes que teria cometido na Cisjordânia ocupada, que não foram especificados, informou a Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

O governador Adnan Gheith foi detido no sábado (20) à noite no bairro palestino de Beit Hanina, em Jerusalém Oriental, ocupada e anexada por Israel. Será apresentado a um tribunal dentro de quatro dias, afirma a OLP em um comunicado.

Para o dirigente da OLP Saeb Erakat, a detenção é "um novo passo contra a presença palestina em Jerusalém" e constitui uma violação da legislação israelense a respeito das instituições palestinas da cidade.

"As ameaças contra dirigentes palestinos, sua detenção, inclusive o 'sequestro' do governador Gheith, são parte de um plano que pretende sufocar todas as bases de uma solução política com dois Estados e com as f…

Bombardeio a mesquita em Aleppo mata 42

ONG diz que ataque foi lançado por aviões não identificados e alerta que número de mortos deve subir


O Estado de S.Paulo

CAIRO - Pelo menos 42 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas nesta quinta-feira no bombardeio a uma mesquita no oeste da cidade de Aleppo, no norte da Síria, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos. A ONG detalhou que o ataque aconteceu na cidade de Alyina, situada ao sudoeste de Al-Atareb.



Síria
Forças do governo Assad avançam em bairro da cidade de Aleppo | Foto: AFP / GEORGE OURFALIAN

O Observatório disse que aviões não identificados promoveram um "massacre" e causaram "grande destruição" no templo. A ONG alertou que o número de mortos pode aumentar, pois há feridos em estado grave.

O ataque ocorreu durante a oração de Al Ishá, a última do dia, razão pela qual havia fiéis no interior da mesquita e ainda estão sendo retirados corpos de debaixo dos escombros. O Observatório acrescentou que a maior parte das vítimas é de civis.

A ONG também informou que três pessoas morreram anteriormente em bombardeios sobre áreas do oeste da Província de Aleppo, da qual a cidade homônima é capital.

Essa parte da região está sob o controle de grupo rebeldes opositores, que costumam ser alvo de bombardeios do Exército sírio, assim como da aviação da Rússia, que apoia as forças governamentais no terreno.

Na quarta-feira foi o sexto aniversário do começo do conflito na Síria, no qual morreram 321.358 pessoas, das quais 96.073 civis, segundo a última apuração do Observatório. (EFE
)

Postar um comentário

Postagens mais visitadas