Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Cerca de 1.300 pessoas deixam a cidade síria de Homs

Um total de 1.276 pessoas, incluindo 436 militantes, deixaram o bairro de al-Waer, na cidade síria de Homs, na segunda-feira (27), por acordo com as autoridades no âmbito de uma trégua local, disse à Sputnik uma fonte informada dos serviços de segurança do país.


Sputnik

A fonte relatou que 387 mulheres e cerca de 460 crianças deixaram al-Waer, além de membros da oposição armada, acrescentando que os militantes que saíram da cidade levaram com eles as armas — mais de 50 fuzis de assalto, cinco fuzis de precisão e 24 pistolas.


Combatentes da oposição e suas famílias se reúnem, enquanto se preparam para subir a um ônibus, antes da evacuação do bairro rebelde de Waer, na cidade de Homs, em 18 de março de 2017
Terroristas e familiares deixam a cidade Homs, na Síria © AFP 2017/ MAHMOUD TAHA

Em 13 de março, as autoridades sírias e grupos militantes em Homs chegaram a um acordo com a mediação russa como garante. Segundo o acordo, os militantes e suas famílias concordaram em deixar Homs de forma faseada, enquanto as tropas do governo sírio garantiram sua passagem segura.

Em 18 de março, mais de 1.400 militantes e membros de suas famílias deixaram al-Waer em direção à cidade de Jarablus, ao norte da província de Aleppo, em conformidade com o acordo.

A guerra civil na Síria dura já há cerca de seis anos, com as tropas do governo lutando contra numerosas facções da oposição e organizações terroristas como a Frente al-Nusra e o Daesh, proibidos na Rússia.



Postar um comentário