Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Damasco não concordou com presença militar dos EUA em Manbij

O presidente sírio Bashar Assad não considera útil a presença militar norte-americana no seu país.


Sputnik


Ele divulgou a sua opinião relativamente à luta contra o terrorismo.

Presidente da Síria, Bashar Assad, visto durante uma visita do vice-primeiro-ministro russo, Dmitry Rogozin, a Damasco
Presidente da Síria Bashar Assad © Sputnik/ Sergei Mamontov

Segundo Assad, Damasco nunca deu permissão para a presença militar dos EUA na área da cidade de Manbij.

Os Estados Unidos implantaram um pequeno número de tropas adicionais na área da cidade como parte da nova missão que tem como objetivo a reafirmação e a dissuasão, informou no briefing de 6 de março o representante do Departamento de Defesa dos EUA, capitão Jeff Davis.

"Nós levamos a cabo ações visíveis de implementação de forças dos EUA, como integrantes da coalizão, em Manbij e nos arredores para reafirmar e dissuadir as partes [do conflito] de atacar outras partes para além do próprio ISIS [Daesh, o grupo terrorista proibido na Rússia]", disse.

Comentando a declaração do militar norte-americano, o presidente sírio divulgou neste sábado (11) que a única força que combate o Daesh de forma eficaz na Síria é a Rússia.

As declarações de Assad foram feitas durante uma entrevista à TV chinesa, publicada pela agência SANA.

Na mesma entrevista o líder sírio disse que espera que a guerra no seu país acabe em 2017.

A guerra no país dura há seis anos com as tropas do governo sírio combatendo contra vários grupos de oposição e organizações terroristas, inclusive a Frente Fatah al-Sham e o Daesh.

Postar um comentário