Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Defesa russa: libertação de Raqqa não será um passeio

A operação para libertar Raqqa dos militantes do Daesh não será nada fácil, e o sucesso dessa missão dependerá de uma coordenação de todas as forças envolvidas no combate aos terroristas, segundo afirmou o Ministério da Defesa da Rússia.


Sputnik

"É claro para qualquer especialista militar que a libertação de Raqqa não será um passeio para a coalizão internacional. O sucesso e a data de término dessa operação vão depender diretamente no entendimento e na prontidão para coordenar a ação de todas as forças que lutam contra o terrorismo na Síria", declarou hoje o major-general Igor Konashenkov, porta-voz da Defesa russa. 

Um combatente das Forças Democráticas da Síria (FDS) perto do rio Eufrates, ao norte de Raqqa, em 8 de março de 2017
Combatente das Forças Democráticas da Síria diante do rio Eufrates, ao norte de Raqqa, na Síria © REUTERS/ Rodi Said

De acordo com o oficial, a visão otimista anunciada pela França sobre a ofensiva contra a proclamada capital do Estado Islâmico no território sírio está baseada mais em algum tipo de fonte nacional de inspiração do que na realidade da situação em campo.

Na última sexta-feira, o ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, disse em conversa com jornalistas que a batalha da coalizão internacional para capturar Raqqa começaria já nos próximos dias.


Postar um comentário