Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Moscou revela fotos de material bélico dos EUA nas posições do Daesh

O Ministério da Defesa da Rússia publicou na sua conta no Facebook fotos aéreas de posições do Daesh (organização proibida na Rússia), perto da cidade de Deir ez-Zor, nas quais se vê material bélico dos EUA.
Sputnik

"Graças às fotografias aéreas captadas entre 8 e 12 de setembro de 2017, perto das posições do Daesh foi detectado um grande número de veículos blindados norte-americanos Hummer que estão em serviço das forças especiais dos EUA", informou o ministério.


Segundo o ministério, nas fotos é claramente visível o posicionamento das forças especiais dos EUA em pontos de apoio que anteriormente foram equipados pelos terroristas. Nas fotos não há nenhuns vestígios de ataques, bem como de confrontos com os terroristas ou crateras provocadas por ataques aéreos realizados pela coalizão internacional liderada pelos EUA.

"Embora os pontos de apoio dos destacamentos das Forças Armadas dos EUA estejam nas zonas das atuais posições do Daesh, não existem quaisquer vestígios de pre…

Em rara admissão, Israel assume responsabilidade por ataques na Síria

A agência estatal de notícias síria informou nesta quarta-feira (7) que Israel era responsável por bombardeios ocorridos perto de um aeroporto militar em Damasco.


Sputnik


Avigdor Lieberman, o ministro da Defesa de Israel, não estava disposto a especificar que ataques foram realizados pelas forças israelenses, de acordo com uma declaração oficial. No entanto, a nota afirma que os ataques tinham como objetivo impedir que "armas avançadas, equipamentos militares e armas de destruição em massa" caíssem nas mãos do Hezbollah, segundo informou o Times of Israel.

Avigdor Lieberman
Avigdor Lieberman © AP Photo/ Markus Schreiber

Autoridades israelenses já expressaram a preocupação de que o Hezbollah pudesse receber armas de destruição em massa ou armas químicas do regime sírio. Ainda assim, Lieberman espera que um acordo pacífico possa ser alcançado na vizinha Síria, embora acredite que a violência e as tensões com os palestinos ainda perdurem por bastante tempo.

Lieberman afirmou ainda que estaria aberto a qualquer acordo de paz na Síria, desde que não inclua o Irã ou o presidente sírio, Bashar Assad.


Postar um comentário