Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Forças iraquianas assumem controle da sede do governo e do museu de Mossul

Tropas iraquianas iniciaram em 19 de fevereiro uma grande ofensiva para reconquistar a zona oeste de Mossul, último reduto do EI no Iraque.


France Presse


As forças iraquianas assumiram o controle da sede do governo provincial e de uma segunda ponte de Mossul, provocando o recuo dos extremistas do grupo Estado Islâmico (EI), anunciou nesta terça-feira (7) o comando conjunto das operações. 

Resultado de imagem para retomada mossul
Tropas iraquianas em Mossul

"Os heróis da Polícia Federal e das Forças de Intervenção Rápida (FIR) liberaram o edifício do governo da província de Nínive e controlam uma segunda ponte (a ponte Al-Hurriyah)", afirma o comunicado do comando conjunto.

As tropas do Iraque iniciaram em 19 de fevereiro uma grande ofensiva para reconquistar a zona oeste de Mossul, último reduto do EI no Iraque, mas o tempo ruim provocou uma interrupção do avanço por alguns dias.

No fim de janeiro, os soldados reconquistaram a zona leste de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, na região norte do país.

Mossul, a capital de Nínive, é dividida pelo rio Tigres. As cinco pontes que ligam as duas partes da cidade haviam sido danificadas ou destruídas.

As duas pontes retomadas pelas forças iraquianas devem facilitar, após reparos, o transporte de tropas e armas da zona leste para a oeste.

Os combates na zona oeste de Mossul provocaram a fuga de mais 50.000 pessoas, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

A maior parte dos 750 mil habitantes do oeste de Mossul, área que sofre com a escassez de alimentos e medicamentos, permanece, no entanto, em suas casas.

Em junho de 2014, após uma ofensiva relâmpago, o EI assumiu o controle de amplas faixas do território ao norte e ao oeste de Bagdá.

Mas desde março de 2015, com a liberação da cidade de Tikrit, e ao longo de 2016 o Estado Islâmico perdeu quase todos os territórios que controlava.

Museu

As forças de segurança iraquianas também anunciaram neste terça-feira (7) que retomaram do EI o museu de Mossul, onde os extremistas destruíram em 2015 várias estátuas antigas a golpes de martelo.

"As unidades da Polícia Federal reconquistaram o museu arqueológico", afirmou o general Raed Chakir Jawdat.

A missão é parte da ofensiva para recuperar a zona oeste da segunda maior cidade do Iraque, o último reduto urbano do EI no país.


Postar um comentário