Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Irã destrói inimigo condicional com S-300 russo

Durante as manobras militares no Irã, os militares destruíram completamente um míssil do inimigo simulado.


Sputnik

Para atingir o alvo designado, as forças armadas do Irã usaram um sistema antimíssil de produção russa S-300, informou Amir Farzad Ismaily, o chefe da base iraniana de DAM Khatam al-Anbiya. 


Sistemas de mísseis antiaéreos S-300
Sistema de mísseis S-300 © Sputnik/ Ramil Sitdikov

"O S-300 é letal para o adversário, porque mesmo objetos voadores pequenos, mísseis balísticos e também de cruzeiro não conseguem passar por dele", contou o general à agência iraniana Tasnim.

Durante as manobras com mísseis, o sistema conseguiu detectar e destruir o míssil lançado por forças iranianas, informou a agência. Um drone se tornou o segundo alvo destruído pelo S-300.

Ainda de acordo com o chefe da base aérea, a partir do mesmo dia os sistemas S-300 entrarão em serviço juntamente com os iranianos Mersad e Talash para garantir a mais alta segurança do espaço aéreo iraniano.

O contrato para fornecimento dos sistemas de defesa antiaérea russos foi assinado em 2007, mas o cumprimento deste foi suspenso em 9 de junho de 2010 pela Resolução 1929 do Conselho de Segurança da ONU. No ano passado, após fechamento do acordo relativamente ao programa nuclear iraniano, a proibição para o fornecimento de S-300 foi levantada.

Em meados de dezembro de 2016, o embaixador do Irã em Moscou Mehdi Sanai informou que a Rússia completou o fornecimento dos sistemas de mísseis.



Postar um comentário