Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

The Wall Street Journal: EUA não excluem possibilidade de atacar Coreia do Norte

Washington não exclui a possibilidade de usar a força contra Coreia do Norte ou de mudança de regime no país em questão, comunica o The Wall Street Journal.


Sputnik

O The Washington Post cita fontes não identificadas, que estão "envolvidas no processo" de revisão da estratégia dos EUA quanto à Coreia do Norte. Segundo a informação disponível, Washington discutiu recentemente o possível cenário militar com seus aliados. 


Militar norte-americano na base aérea de Osan na Coreia do Sul, 1 de janeiro de 2016
F-16 da USAF na base aérea de Osan, Coréia do Sul © AFP 2016/ JUNG YEON-JE

Em meados de fevereiro, o premiê do Japão Shinzo Abe visitou Washington. Segundo a edição, durante esta visita os representantes da administração do presidente Trump declararam várias vezes que estão sendo discutidas todas as variantes possíveis "em relação à Coreia do Norte".

O Japão considerou preocupante o cenário de ataque militar contra o país norte-coreano caso Pyongyang declare a prontidão para realização de teste de míssil intercontinental balístico.

Mais anteriormente, o CNN afirmou, citando um representante da administração de Trump, que o presidente norte-americano indica Coreia do Norte como a maior ameaça para os EUA.

No início de janeiro, o The New York Times citou a declaração do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-um, sobre Pyongyang ter atingido a fase final dos preparos para o lançamento de míssil balístico.

"Isso não vai acontecer", declarou Trump em seu Twitter, reagindo à informação.

Posteriormente, a agência japonesa Kyodo, citando um representante do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, comunicou que Pyongyang está pronto para lançar míssil balístico “em qualquer lugar e a qualquer hora”.



Postar um comentário