Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Kim Jong-un: Após 'declaração de guerra feroz', Trump e os EUA pagarão caro

Em um raro pronunciamento, o líder norte-coreano Kim Jong-un disse nesta sexta-feira (horário local) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu povo "pagarão caro"pelas “palavras excêntricas” que pregaram a destruição da Coreia do Norte.
Sputnik

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, Trump afirmou que os EUA estão prontos para a "destruição total" da Coreia do Norte, caso isso se faça necessário.


Além disso, o presidente estadunidense chamou Kim de "Homem Foguete", pelo que considera uma "tática suicida" de provocações contra Washington e o resto dos seus aliados na Ásia.

"Agora estou pensando muito sobre a resposta que ele poderia ter esperado quando ele se permitiu que palavras tão excêntricas tropeçassem da sua língua", disse Kim, em declarações reproduzidas pela Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA).

"Qualquer coisa que Trump possa ter esperado, ele enfrentará resultados além de suas expectativas. Eu vou, …

América Latina comprou mais de US$ 10 bilhões em armamentos russos

Exportador de equipamentos militares da Rússia quer continuar a batalha contra empresas dos EUA e da Europa pelo mercado latino-americano.


Ígor Rôzin | Gazeta Russa

Desde 2001, os países da América Latina compraram mais de US$ 10 bilhões em armamentos produzidos na Rússia. A informação foi divulgada pelo diretor-geral da Rosoboronexport (estatal russa responsável pelas vendas de equipamento militar ao exterior), Aleksêi Mikheev.



su-30
A Venezuela é o principal mercado: entre 2000 e 2016, o país comprou 80% de todas as armas russas vendidas na América Latina. Foto:@IAF_MCC

"Nos últimos anos a concorrência nesse mercado está crescendo, os produtores norte-americanos e europeus estão intensificando seu trabalho na região, no entanto, estamos preparados para lutar pelos nossos clientes", declarou Mikheev.

E como em qualquer produto de exportação, a propaganda, ofertas e serviços especiais ajudam a ganhar clientes.

"Estamos usando todas as ferramentas modernas de marketing. Oferecemos esquemas de financiamento flexíveis, inclusive compensações, offset, trade-in e abordagens individuais para cada parceiro. Os clientes também apreciam os nossos serviços pós-venda e consultoria técnica e jurídica", disse.

Tradicionalmente, os países latino-americanos estão interessados em aviões e helicópteros. E depois do início da operação militar contra o Estado Islâmico na Síria, a demanda pelos equipamentos russos só aumentou.

"Tendo em conta os desafios atuais, como o terrorismo, tráfico de drogas, crime organizado e crimes virtuais, a Rosoboronexport está promovendo o “sistema integrado de segurança" no mercado latino-americano. Esse sistema inclui soluções integradas para problemas de segurança cibernética, controle das áreas costeiras, fronteiras nacionais e de grandes municípios e cidades”, lê-se no comunicado da Rosoboronexport.

Em março, o “think thank” de política internacional Chatham House publicou o relatório “Russia’s Role as an Arms Exporter” (“O papel da Rússia como um exportador de armas"), sobre as vendas dos armamentos russos na América Latina.

A região é um mercado tradicionalmente ocupado pelos fabricantes americanos e europeus. Mas o estudo da Chatham House mostra uma mudança considerável nos últimos anos.

A Venezuela é o principal mercado: entre 2000 e 2016, o país comprou 80% de todas as armas russas vendidas na América Latina. Na América Central o principal cliente é a Nicarágua, onde 80% dos equipamentos militares são produzidos por empresas russas. Já em outros países, como o Brasil, Colômbia, Argentina, México e Peru esta parcela não passa dos 20%.

O interesse dos exportadores militares da Rússia na América Latina também tem uma outra motivação: apenas 4,6% das vendas externas são feitas para a região. E o objetivo é aumentar este percentual em breve.



Postar um comentário