Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Chanceler russo insiste: é preciso exigir verdade sobre ataques dos EUA na Síria

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, insiste ser preciso exigir a verdade sobre os ataques realizados pelos EUA na Síria, porém, diz "não saber" quando isso vai ser possível.


Sputnik

Lavrov comentou também que os ataques norte-americanos contra a base aérea de Shayrat fazem lembrar a ofensiva contra o Iraque em 2003, que não teve aprovação das Nações Unidas. 


O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, durante o encontro com os seus homólgos turco e iraniano em Moscou, Rússia, 20 de dezembro de 2016
Ministro russo das relações exteriores Sergei Lavrov © Sputnik/ Maksim Blinov

"É reminiscente da situação em 2003, quando os EUA, o Reino Unido e alguns aliados deles invadiram o Iraque sem a aprovação do Conselho de Segurança, em violação enorme da lei internacional", disse o ministro, que está agora no Uzbequistão.

Ele sublinhou também que o ataque contra a base de Shayrat, que matou 7 pessoas, de acordo com o governador da província de Homs, "foi um ato de agressão sob pretexto absolutamente falso".

O ministro também adiantou que "pelo visto, não houve vítimas" entre militares russos.

Útil para quem quer derrubar o poder


"Ao se perguntar sobre quem ganha com o que acabou de acontecer, só ganham aqueles que desejam minar o processo de Genebra, o processo de Astana, querendo criar provas que faltam, os pretextos, as razões para uma transferência de regularização política à troca de regime por via militar", disse Sergei Lavrov.

Turquia quer negociar


No entanto, o homônimo turco de Sergei Lavrov, Mevlut Cavusoglu, comunicou que a parte turca enviou um pedido de negociações com Lavrov sobre o assunto.

"Nós tivemos uma conversa com o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, pedimos negociações com Lavrov. É preciso reforçar a coordenação entre nós, reforçar o trabalho diplomático", disse Cavusoglu, que se encontra em Antália.

Ataque

Na madrugada desta sexta (noite da quinta-feira no Brasil), o presidente dos EUA, Doland Trump, ordenou um ataque com mísseis contra a base aérea de Shayrat, na província síria de Homs, por ter alegadamente servido também como base para um suposto ataque químico. O Pentágono informou que 59 mísseis Tomahawk foram lançados.

O governo da Síria nega possuir armas químicas.


Postar um comentário