Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Estados Unidos lançam 59 mísseis de cruzeiro contra base aérea na Síria

Os Estados Unidos lançaram pelo menos 59 mísseis de cruzeiro na noite desta quinta-feira em um aeródromo sírio próximo à cidade de Homs. O ataque seria uma resposta de Trump às denúncias de uso de armas químicas proibidas pelo governo sírio, responsável pela morte de 100 pessoas na terça-feira.


Sputnik


Segundo a rede de televisão norte-americana NBC citando fontes oficiais, dois navios de guerra dos EUA no Mar Mediterrâneo dispararam por mísseis Tomahawk tendo como alvo a base de Shayrat, na província de Homs, oeste da Síria.

O USS Destroyer (DDG 78), comandante de mísseis guiados da Marinha dos EUA, conduz operações de ataque enquanto no Mar Mediterrâneo, que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos disse que era parte do ataque com mísseis de cruzeiro contra a Síria
Lançamento de um Tomahawk de destróier da US NAVY © REUTERS/ Ford Williams/Courtesy U.S. Navy

Os EUA acreditam que foi deste aeródromo que o governo do presidente sírio, Bashar Assad, disparou as armas proibidas.

Ainda não há informações sobre vítimas. Funcionários dos EUA disseram à NBC que aeronaves e a infraestrutura no local, incluindo a pista, foram atingidas, mas que nenhuma pessoa foi alvejada.

Mais cedo, o secretário de Estado americano, Rex Tillerson e a embaixadora do país nas Nações Unidas, Nikki Haley, acusaram o governo da Síria do ataque com armas químicas, cujas vítimas incluíram pelo menos 25 crianças.

Ao comentar o ataque em Idlib, Trump disse a jornalistas que o que aconteceu na Síria foi "uma desgraça para a humanidade". Ele também fez uma clara ameaça ao presidente Bashar Assad. "Ele está lá e eu acho que no comando das coisas, portanto algo deve acontecer".

Postar um comentário