Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Estados Unidos lançam 59 mísseis de cruzeiro contra base aérea na Síria

Os Estados Unidos lançaram pelo menos 59 mísseis de cruzeiro na noite desta quinta-feira em um aeródromo sírio próximo à cidade de Homs. O ataque seria uma resposta de Trump às denúncias de uso de armas químicas proibidas pelo governo sírio, responsável pela morte de 100 pessoas na terça-feira.


Sputnik


Segundo a rede de televisão norte-americana NBC citando fontes oficiais, dois navios de guerra dos EUA no Mar Mediterrâneo dispararam por mísseis Tomahawk tendo como alvo a base de Shayrat, na província de Homs, oeste da Síria.

O USS Destroyer (DDG 78), comandante de mísseis guiados da Marinha dos EUA, conduz operações de ataque enquanto no Mar Mediterrâneo, que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos disse que era parte do ataque com mísseis de cruzeiro contra a Síria
Lançamento de um Tomahawk de destróier da US NAVY © REUTERS/ Ford Williams/Courtesy U.S. Navy

Os EUA acreditam que foi deste aeródromo que o governo do presidente sírio, Bashar Assad, disparou as armas proibidas.

Ainda não há informações sobre vítimas. Funcionários dos EUA disseram à NBC que aeronaves e a infraestrutura no local, incluindo a pista, foram atingidas, mas que nenhuma pessoa foi alvejada.

Mais cedo, o secretário de Estado americano, Rex Tillerson e a embaixadora do país nas Nações Unidas, Nikki Haley, acusaram o governo da Síria do ataque com armas químicas, cujas vítimas incluíram pelo menos 25 crianças.

Ao comentar o ataque em Idlib, Trump disse a jornalistas que o que aconteceu na Síria foi "uma desgraça para a humanidade". Ele também fez uma clara ameaça ao presidente Bashar Assad. "Ele está lá e eu acho que no comando das coisas, portanto algo deve acontecer".

Postar um comentário