Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Países muçulmanos reconhecem Jerusalém como capital do Estado da Palestina

Os países da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) acordaram nesta quarta-feira reconhecer Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidaram as outras nações a fazer o mesmo, em resposta à decisão dos EUA de declarar Jerusalém como capital de Israel.
EFE

"Declaramos Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidamos todos os países a reconhecer o Estado da Palestina com Jerusalém Oriental como sua capital ocupada", indica a minuta da declaração preparada nesta quarta-feira em Istambul por esta organização, formada por 57 países de maioria muçulmana.


A OCI, formada por 57 países de maioria muçulmana, inclui desde sua fundação em 1969 a Palestina como membro pleno, com sua capital em Jerusalém.

O documento, apresentado pelos "reis, chefes de Estado e de Governo dos Estados membros da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI)", apresenta em 23 pontos a postura do mundo muçulmano perante a decisão dos EUA.

Nesse texto, a OCI &quo…

FDS eliminam 35 terroristas do Daesh no norte da Síria

As Forças Democráticas da Síria (FDS) eliminaram pelo menos 35 militantes do grupo terrorista Daesh no norte do país ao longo das últimas 24 horas, segundo fontes locais.


Sputnik


De acordo com a Firat News, 10 combatentes extremistas foram mortos durante confrontos na cidade de Tabqa, na noite do último sábado, enquanto outro foi morto em uma vila próxima. Depois, ao todo, 24 terroristas foram eliminados perto de Raqqa, a proclamada capital do Estado Islâmico na Síria. 

Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) ao norte da cidade de Raqqa, em 8 de março de 2017
Combatentes das FDS © REUTERS/ Rodi Said

Na última sexta-feira, as FDS anunciaram o início da quarta fase da operação Fúria do Eufrates, que consiste na libertação de áreas rurais da província de Raqqa antes da batalha final pela cidade.

A Fúria do Eufrates foi lançada em novembro passado e conta com o apoio da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, a qual não recebeu autorização do governo local para atuar em território sírio.


Postar um comentário