Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

FDS eliminam 35 terroristas do Daesh no norte da Síria

As Forças Democráticas da Síria (FDS) eliminaram pelo menos 35 militantes do grupo terrorista Daesh no norte do país ao longo das últimas 24 horas, segundo fontes locais.


Sputnik


De acordo com a Firat News, 10 combatentes extremistas foram mortos durante confrontos na cidade de Tabqa, na noite do último sábado, enquanto outro foi morto em uma vila próxima. Depois, ao todo, 24 terroristas foram eliminados perto de Raqqa, a proclamada capital do Estado Islâmico na Síria. 

Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) ao norte da cidade de Raqqa, em 8 de março de 2017
Combatentes das FDS © REUTERS/ Rodi Said

Na última sexta-feira, as FDS anunciaram o início da quarta fase da operação Fúria do Eufrates, que consiste na libertação de áreas rurais da província de Raqqa antes da batalha final pela cidade.

A Fúria do Eufrates foi lançada em novembro passado e conta com o apoio da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, a qual não recebeu autorização do governo local para atuar em território sírio.


Postar um comentário