Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Países muçulmanos reconhecem Jerusalém como capital do Estado da Palestina

Os países da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) acordaram nesta quarta-feira reconhecer Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidaram as outras nações a fazer o mesmo, em resposta à decisão dos EUA de declarar Jerusalém como capital de Israel.
EFE

"Declaramos Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidamos todos os países a reconhecer o Estado da Palestina com Jerusalém Oriental como sua capital ocupada", indica a minuta da declaração preparada nesta quarta-feira em Istambul por esta organização, formada por 57 países de maioria muçulmana.


A OCI, formada por 57 países de maioria muçulmana, inclui desde sua fundação em 1969 a Palestina como membro pleno, com sua capital em Jerusalém.

O documento, apresentado pelos "reis, chefes de Estado e de Governo dos Estados membros da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI)", apresenta em 23 pontos a postura do mundo muçulmano perante a decisão dos EUA.

Nesse texto, a OCI &quo…

Ministério da Defesa russo: apenas 23 mísseis americanos atingiram base de Shayrat

Igor Konashenkov, representante oficial do Ministério da Defesa russo, falando hoje no briefing, disse que apenas 23 mísseis lançados do destróier da Marinha norte-americana atingiram a base de Shayrat, não se sabe onde caíram os restantes 36. As buscas dos mísseis estão em curso. 


Sputnik


"No dia 7 de abril, entre as 3h42 e as 3h56 [21h42-00h56] a partir de destróiers da Marinha dos EUA nas águas do Mediterrâneo, na área da Ilha de Creta, foi lançado um ataque aéreo em massa com 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk contra a base aérea de Shayrat. Conforme os dados dos meios russos, o território da base foi atingido por apenas 23. O lugar da queda dos 36 restantes mísseis não é conhecido", declarou Konashenkov.

Consequências do ataque aéreo americano contra base aérea síria na província de Homs
Consequências do ataque dos EUA com mísseis de cruzeiro a base aérea em Homs, Síria © Sputnik/ Mikhail Voskresensky

Ele sublinhou que, em resultado do ataque, foi destruído um armazém de mercadorias, um edifício destinado à instrução, uma cantina e 6 aviões Mig-23, bem como a estação de radar.

O Ministério da Defesa da Rússia destaca que, em resultado do ataque, quatro militares sírios morreram, dois desapareceram e seis sofreram ferimentos devido ao incêndio.

Igor Konashenkov frisou que Ministério da Defesa da Rússia avalia as ações dos EUA como violação do memorando assinado com a Rússia.

Rússia continua insistindo para que os EUA apresentem provas de que foi Damasco que usou armas químicas, ou serão acusações infundadas.

Para além disso, Igor Konashenkov informou que a Rússia reforçará a defesa aérea da Síria.

"Para proteger as infraestruturas sírias mais sensíveis, no futuro mais próximo será realizado um conjunto de iniciativas para reforçar a eficácia do sistema de defesa antiaérea da Síria", disse Igor Konashenkov durante o briefing.

Os Estados Unidos lançaram pelo menos 59 mísseis de cruzeiro na noite desta quinta-feira em um aeródromo sírio próximo à cidade de Homs. O ataque seria uma resposta de Trump às denúncias de uso de armas químicas proibidas pelo governo sírio, responsável pela morte de 100 pessoas na terça-feira.

Postar um comentário