Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pequim acha que exercícios dos EUA e da Coreia do Sul escalam situação na região

Os exercícios conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul não contribuem para a desescalação na península coreana, acrescentou na segunda (21) a representante oficial Hua Chunying.
Sputnik

Os exercícios conjuntos Ulchi Freedom Guardian (UFG) se iniciaram na Coreia do Sul na segunda-feira. 


"Os exercícios conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul não contribuem para a desescalação da situação na península coreana, bem como para os esforços das partes no sentido de realizar negociações", comunicou Hua Chunying durante o briefing.

Ela chamou os EUA, a Coreia do Sul e os outros países a darem passos construtivos que contribuam para o reinício das negociações e para a regularização racional do problema nuclear da península Coreana.

Cerca de 50 mil militares sul-coreanos e 17 mil norte-americanos participam dos exercícios.

Anteriormente havia sido comunicado que os EUA e a Coreia do Sul acordaram influenciar Pyongyang com o deslocamento de armas estratégicas norte-americanas – submarinos nuclear…

'Não há desistência' da compra dos Pantsir S1 russos pelo Brasil

Durante o café da manhã de hoje (5) com jornalistas, o ministro da Defesa do Brasil, Raul Jungmann, respondeu a duas perguntas do correspondente da Sputnik Brasil.


Sputnik

A primeira pergunta foi motivada pelos recentes rumores divulgados pela revista Veja alegando que o Brasil teria se recusado a comprar os sistemas russos de defesa antiaérea Pantsir S1. O ministro Jungmann desmentiu estas informações:


Resultado de imagem para pantsir s1
Pantsir S1

"Em primeiro lugar, não há desistência, mas ao mesmo tempo nós não temos hoje, em função da nossa situação orçamentária e financeira, de projetar uma aquisição em um curto prazo. Então, nossa situação é de fato aguardar uma melhoria sobre o ponto de vista fiscal, particularmente no que diz respeito ao orçamento e investimentos para que então nós possamos avançar nesta discussão com os russos. Devo lembrar que nos próximos 26 e 27 [de abril] devo estar na Rússia participando do congresso sobre segurança internacional [VI Conferência de Segurança Internacional de Moscou MCIS 2017]. Oportunidade, onde poderemos conversar a respeito dessas dificuldades e desses problemas com as contrapartes russas."

O segundo assunto que o ministro aclarou à Sputnik Brasil toca na presença dos pacificadores brasileiros em outros países, nomeadamente no Haiti.

"Bom, há uma indicativa que nós vamos sair [do Haiti] até outubro. A missão deve ser encerrada, deve ser decidido seu encerramento na reunião do Conselho de Segurança da ONU, que está marcada para maio, e a expectativa é sairmos em outubro. Agora, para onde nós vamos? Estamos analisando 16 lugares. Tem cinco deles que são os mais possíveis e desses aí pelo menos três se encontram na África. Agora, a definição definitiva ainda não há", disse Raul Jungmann.

O ministro não especificou todos os países em questão, confirmando, porém, o Líbano e o Congo.

Recentemente, na mídia brasileira apareceram hipóteses de que o Líbano seja a variante mais preferível do Brasil, sendo este o país em que o Brasil já comanda o destacamento naval da ONU. Além disso, o jornalista Pedro Paulo Rezende, especialista em questões de Defesa, comentando a questão à Sputnik Brasil, disse que o interesse do Brasil pelo Líbano deve ser atribuído à enorme colônia de origem libanesa existente no país.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas