Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Confira a arma secreta da China em uma eventual guerra contra os EUA

A evidência do emprego de minas marítimas na doutrina da guerra naval chinesa segue crescendo.
Sputnik

Nas fases finais da Guerra do Pacífico, os estrategistas americanos combinaram genialmente dois sistemas de armas, o revolucionário bombardeiro de longo alcance B-29 e as relativamente simples minas marítimas com explosivos magnéticos ou acústicos, causando um caos na economia e moral japoneses. O esforço para semear profusamente as águas japonesas com milhares de minas foi denominado de "Operação Fome" e esse esforço provou sua alta eficiência para pôr o Japão de joelhos. Contudo, a Marinha americana também foi vítima do emprego hábil da guerra de minas e esses casos são mais recentes.

O caso clássico provém da Guerra da Coreia, quando minas foram colocadas ao largo da Coreia do Norte, evitando que os estadunidenses realizassem uma invasão eficiente em Wonsan. Durante a Guerra do Golfo Pérsico, dois navios norte-americanos, o "Tripoli" e o "Princeton", for…

Putin considera que ataques dos EUA causam deterioração nas relações com Rússia

Dmitry Peskov, porta-voz do presidente russo, declarou na manhã da sexta-feira (7) que Vladimir Putin considera os ataques na Síria realizados pelos EUA como um dano para as relações russo-americanas, que já estão, sem isso, em uma situação deplorável.


Sputnik

"O presidente Putin acredita que este passo não só não nos aproxima do objetivo final na luta contra terrorismo internacional, como, pelo contrário, cria um obstáculo sério para a criação de uma coalizão internacional para combatê-lo e oferecer uma resistência eficaz a esse mal mundial, que, a propósito, o presidente Trump declarou como uma das suas principais tarefas ainda nos tempos da sua campanha eleitoral", disse Peskov a jornalistas.

Vladimir Putin
Vladimir Putin © Sputnik/ Sergey Guneev

Peskov sublinha que o líder russo vê nos ataques americanos contra a Síria uma agressão contra um Estado soberano e violação das normas do Direito Internacional sob um pretexto fictício.

"Putin também vê nos ataques contra a Síria por parte dos EUA a tentativa de desviar a atenção das múltiplas vítimas entre a população civil no Iraque", acrescentou Peskov.

Contudo, continuou Peskov, do ponto de vista do presidente russo, o total menosprezo dos casos de uso de armas químicas pelos terroristas somente agrava significativamente a situação.

Os Estados Unidos lançaram pelo menos 59 mísseis de cruzeiro na noite desta quinta-feira em um aeródromo sírio próximo à cidade de Homs. O ataque seria uma resposta de Trump às denúncias de uso de armas químicas proibidas pelo governo sírio, responsável pela morte de 100 pessoas na terça-feira.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas