Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

Rússia acusa ex-premiê ucraniano de ter torturado e fuzilado soldados russos na Chechênia

O Comitê de Investigação da Rússia acusou o ex-primeiro-ministro da Ucrânia Arseny Yatsenyuk de ter participado de torturas e execuções durante a guerra na Chechênia.


Sputnik

"O Comitê tem provas de que o ex-primeiro-ministro da Ucrânia Arseny Yatsenyuk participou em pelo menos dois confrontos armados que tiveram lugar em 31 de dezembro de 1994, na praça Minutka de Grozny e em fevereiro de 1995, bem como em torturas e fuzilamentos de militares do exército russo no distrito Oktyabrsky de Grozny, em 7 de janeiro de 1995", consta em uma nota de imprensa publicada no site da entidade.

Arseny Yatsenyuk, ex-premiê ucraniano, foto de arquivo
Arseni Yatseniuk © REUTERS/ Yuri Gripas

O comunicado acrescenta que o Comitê já enviou à Interpol os materiais do caso de Yatsenyuk, "procurado internacionalmente e acusado de crimes de extrema gravidade".

O Comitê de Investigação da Rússia tem a intenção de chamar Yatsenyuk à responsabilidade penal, de acordo com a legislação russa, utilizando todos os recursos legais previstos no direito internacional.

No final de março, um tribunal da cidade russa de Yessentuki determinou a prisão de Yatseniuk, acusado de pertencer a grupos armados que atuavam no território da Rússia e procurado a nível internacional desde 21 de fevereiro deste ano.

Os investigadores russos afirmam que o ex-primeiro-ministro da Ucrânia lutou nas fileiras dos destacamentos Argo e Viking, que combatiam o exército russo na Chechênia.


Postar um comentário