Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Rússia retirou metade do seu grupo aéreo de base na Síria

Rússia retirou quase metade do seu grupo aéreo que estava inicialmente instalado na base militar síria de Hmeymim, declarou o chefe da Direção Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, coronel-general Sergei Rudskoy.


Sputnik

"O número de organizações terroristas na Síria tem sido reduzido, permitindo, assim, a retirada de quase metade dos nossos aviões que estavam instalados na base aérea de Hmeymim", declarou Rudskoy na abertura da VI Conferência de Segurança Internacional de Moscou. 



Aviões russos deixam Síria
Aeronaves russas deixam a Síria © Sputnik. 

"A base em Hmeymim e o ponto de suporte em Tartus permitem conter o terrorismo não só na Síria, mas também em outros países", declarou o Estado-Maior russo.

Além disso, Rudskoy sublinhou que desde o início da operação militar na Síria, a Força Aeroespacial russa realizou mais de 23 mil voos de combate e efetuou cerca de 77 mil ataques aéreos contra as posições de militantes.

O conflito armado na Síria continua desde 2011. Segundo dados da ONU, o combate resultou na morte de 220 mil pessoas. Ao pedido do presidente sírio, Bashar Assad, a Força Aeroespacial da Rússia presta apoio às autoridades do país para combater o terrorismo. Graças à ajuda russa, Damasco conseguiu se proteger e iniciar contraofensiva em direções cruciais.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas