Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Síria reinicia a retirada de moradores de cidades sitiadas

Mais de 3 mil pessoas foram retiradas de cidades rebeldes e leais ao governo. Operação foi interrompida depois de atentado contra comboio de ônibus.


France Presse

A evacuação de várias cidades sitiadas na Síria foi retomada nesta quarta-feira (19), após uma interrupção de vários dias em consequência de um atentado que deixou mais de 100 mortos. 

Civis sírios puderam deixar nesta quarta-feira (19) cidades de Fuaa and Kafraya, leais ao governo, que estava sitiadas  (Foto: Omar haj kadour / AFP)
Civis sírios puderam deixar nesta quarta-feira (19) cidades de Fuaa and Kafraya, leais ao governo, que estava sitiadas (Foto: Omar haj kadour / AFP) 

O diretor da ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman, informou que 3 mil pessoas das cidades leais ao governo de Fua e Kafraya foram retiradas durante o amanhecer. Quase 300 também deixaram Zabadani e outras duas localidades rebeldes.

Dez ônibus procedentes de Fua e Kafraya chegaram às 4h locais (22h de Brasília, terça-feira) a Rachidin, subúrbio rebelde de Aleppo, utilizado como zona de trânsito na primeira operação de retirada.

A operação foi interrompida depois do violento atentado contra um comboio de ônibus que deixou pelo menos 126 mortos, incluindo 68 crianças, procedentes das localidades de Fua e Kafraya.

O processo foi retomado nesta quarta-feira sob rígidas medidas de segurança, com dezenas de combatentes rebeldes protegendo os ônibus.

A retirada dos moradores havia começado na sexta-feira passada, após um acordo mediado pelo Catar, que apoia os rebeldes, e o Irã, aliado do regime do presidente sírio Bashar al-Assad.

Quase 5.000 civis e militares leais ao governo deixaram as cidades de Fua e Kafraya, ao mesmo tempo que 2.200 civis e combatentes abandonaram Zabadani e Madaya, duas localidades rebeldes próximas a Damasco.

Com a retirada desta quarta-feira chega ao fim a primeira etapa do processo de evacuação. A segunda fase deve acontecer dentro de dois meses, estipula o acordo.

Desde 2011, a guerra na Síria deixou mais de 320 mil mortos, além de milhões de deslocados e refugiados.

Postar um comentário