Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Alemanha pede 'resposta conjunta clara' ao lançamento de míssil da Coreia do Norte

O ministro das Relações Exteriores alemão, Sigmar Gabriel, condenou neste sábado (29) o último lançamento de mísseis da Coreia do Norte e pediu à comunidade internacional que tome medidas de resposta.


Sputnik

No início do dia, a Coreia do Norte anunciou o segundo teste do míssil Hwasong-14, declarando que a operação foi bem sucedida. O projétil atingiu a altitude de 3.725 quilômetros e percorreu 998 quilômetros por cerca de 47 minutos antes de cair no Mar do Japão.


Soldado sul-coreano passa por uma TV que transmite uma reportagem a respeito do mais recente teste com mísseis da Coreia do Norte. Dia 7 de junho de 2017
Transmissão pela TV do lançamento do míssil norte-coreano © REUTERS/ Kim Hong-Ji

"Em nome do governo federal, eu condeno fortemente o novo teste de mísseis da Coreia do Norte […] a comunidade internacional deve dar uma resposta clara e conjunta, com o objetivo de fazer a Coreia do Norte abandonar seus lançamentos de mísseis e testes nucleares ilegais e perigosos e seguir as respectivas resoluções do Conselho de Segurança da ONU", disse Gabriel em comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores alemão.

Gabriel também enfatizou a responsabilidade "particular" do Conselho de Segurança da ONU em relação à questão dos testes de mísseis da Coreia do Norte, acrescentando que a Alemanha está empenhada em pressionar Pyongyang com sanções.



Postar um comentário