Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Alemanha pede 'resposta conjunta clara' ao lançamento de míssil da Coreia do Norte

O ministro das Relações Exteriores alemão, Sigmar Gabriel, condenou neste sábado (29) o último lançamento de mísseis da Coreia do Norte e pediu à comunidade internacional que tome medidas de resposta.


Sputnik

No início do dia, a Coreia do Norte anunciou o segundo teste do míssil Hwasong-14, declarando que a operação foi bem sucedida. O projétil atingiu a altitude de 3.725 quilômetros e percorreu 998 quilômetros por cerca de 47 minutos antes de cair no Mar do Japão.


Soldado sul-coreano passa por uma TV que transmite uma reportagem a respeito do mais recente teste com mísseis da Coreia do Norte. Dia 7 de junho de 2017
Transmissão pela TV do lançamento do míssil norte-coreano © REUTERS/ Kim Hong-Ji

"Em nome do governo federal, eu condeno fortemente o novo teste de mísseis da Coreia do Norte […] a comunidade internacional deve dar uma resposta clara e conjunta, com o objetivo de fazer a Coreia do Norte abandonar seus lançamentos de mísseis e testes nucleares ilegais e perigosos e seguir as respectivas resoluções do Conselho de Segurança da ONU", disse Gabriel em comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores alemão.

Gabriel também enfatizou a responsabilidade "particular" do Conselho de Segurança da ONU em relação à questão dos testes de mísseis da Coreia do Norte, acrescentando que a Alemanha está empenhada em pressionar Pyongyang com sanções.



Postar um comentário