Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

Analista sírio: perspectivas da Síria mudaram depois da reunião de Putin e Trump

Conselheiro político do governo e acadêmico sírio, Suleiman al-Suleiman, afirmou à agência Sputnik que o encontro dos presidentes russo e americano em Hamburgo dividiram a situação na Síria em dois períodos históricos.


Sputnik

"Antes da realização da cúpula do G20 em Hamburgo, a comunidade internacional estava contra o governo e o exército da Síria. Todos diziam que [apoio ao Assad] era uma linha vermelha, impossível de ultrapassar. Não havia intenções de interromper o financiamento de terroristas pelos países do golfo Pérsico e a fronteira da Turquia com a Síria estava completamente aberta para os militantes", disse o especialista.

Vladimir Putin e Donald Trump se reúnem pela primeira vez na cúpula do G20
Vladimir Putin e Donald Trump na cúpula do G20 © AP Photo/ Evan Vucci

"Depois da cúpula em Hamburgo e do acordo sobre as zonas de segurança vemos que os esforços dos americanos não tiveram sucesso, eles não conseguiram o que queriam", explicou Suleiman.

O conselheiro do governo revelou que "EUA e Israel estavam planejando uma operação militar contra a Síria, que deveria ter sido realizada entre 2 e 4 de julho deste ano".

"Isso não aconteceu, pois surgiu a informação sobre a prontidão dos sistemas russos S-400. E logo em seguida aconteceu a reunião em Hamburgo, onde foi celebrado um acordo de cooperação entre a Rússia e os EUA" explicou o interlocutor da agência.

Segundo ele, existem todas as condições para um processo de paz na Síria, mas o exército continua alerta e está pronto para repelir qualquer ataque contra a soberania do país.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas