Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Analista sírio: perspectivas da Síria mudaram depois da reunião de Putin e Trump

Conselheiro político do governo e acadêmico sírio, Suleiman al-Suleiman, afirmou à agência Sputnik que o encontro dos presidentes russo e americano em Hamburgo dividiram a situação na Síria em dois períodos históricos.


Sputnik

"Antes da realização da cúpula do G20 em Hamburgo, a comunidade internacional estava contra o governo e o exército da Síria. Todos diziam que [apoio ao Assad] era uma linha vermelha, impossível de ultrapassar. Não havia intenções de interromper o financiamento de terroristas pelos países do golfo Pérsico e a fronteira da Turquia com a Síria estava completamente aberta para os militantes", disse o especialista.

Vladimir Putin e Donald Trump se reúnem pela primeira vez na cúpula do G20
Vladimir Putin e Donald Trump na cúpula do G20 © AP Photo/ Evan Vucci

"Depois da cúpula em Hamburgo e do acordo sobre as zonas de segurança vemos que os esforços dos americanos não tiveram sucesso, eles não conseguiram o que queriam", explicou Suleiman.

O conselheiro do governo revelou que "EUA e Israel estavam planejando uma operação militar contra a Síria, que deveria ter sido realizada entre 2 e 4 de julho deste ano".

"Isso não aconteceu, pois surgiu a informação sobre a prontidão dos sistemas russos S-400. E logo em seguida aconteceu a reunião em Hamburgo, onde foi celebrado um acordo de cooperação entre a Rússia e os EUA" explicou o interlocutor da agência.

Segundo ele, existem todas as condições para um processo de paz na Síria, mas o exército continua alerta e está pronto para repelir qualquer ataque contra a soberania do país.


Postar um comentário