Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Bombardeios da coalizão mataram 162 civis na Síria no último mês, segundo ONG

EFE

Os bombardeios da coalizão internacional, liderada pelos Estados Unidos, causaram no último mês a morte de pelo menos 162 civis, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.


Resultado de imagem para bombardeio coalizao siria
Bombardeios na cidade de Kobane (Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters)

A ONG indicou que entre os mortos há 53 crianças e 60 mulheres, que perderam a vida entre 23 de junho e 23 julho.

Nestes ataques, que se concentram na província síria de Raqqa, morreram outras 314 pessoas, das quais pelo menos 272 eram membros do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), acossado em Raqqa pelas Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança encabeçada por milícias curdas, às quais a coalizão oferece cobertura aérea.

Com essas vítimas mortais (476 no total) sobe para 9.274 o número de mortos na Síria em decorrência dos bombardeios da coalizão, que começaram em 23 de setembro de 2014, quase três meses após a proclamação de um califado por parte do EI neste país e no Iraque.

Nos 30 dias anteriores (de 23 de maio a 23 de junho), o Observatório registrou a morte de 250 civis apenas na província de Raqqa, feudo do EI, de um total de 472 civis em todo o território sírio.

Nesse período perderam a vida 812 pessoas, frente às 476 que morreram entre 23 de junho e 23 de julho.

Desde o último dia 6 de junho, a coalizão desenvolve junto às FSD uma ofensiva na cidade de Raqqa, considerada a "capital" do califado.


Postar um comentário