Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Bombardeios da coalizão mataram 162 civis na Síria no último mês, segundo ONG

EFE

Os bombardeios da coalizão internacional, liderada pelos Estados Unidos, causaram no último mês a morte de pelo menos 162 civis, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.


Resultado de imagem para bombardeio coalizao siria
Bombardeios na cidade de Kobane (Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters)

A ONG indicou que entre os mortos há 53 crianças e 60 mulheres, que perderam a vida entre 23 de junho e 23 julho.

Nestes ataques, que se concentram na província síria de Raqqa, morreram outras 314 pessoas, das quais pelo menos 272 eram membros do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), acossado em Raqqa pelas Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança encabeçada por milícias curdas, às quais a coalizão oferece cobertura aérea.

Com essas vítimas mortais (476 no total) sobe para 9.274 o número de mortos na Síria em decorrência dos bombardeios da coalizão, que começaram em 23 de setembro de 2014, quase três meses após a proclamação de um califado por parte do EI neste país e no Iraque.

Nos 30 dias anteriores (de 23 de maio a 23 de junho), o Observatório registrou a morte de 250 civis apenas na província de Raqqa, feudo do EI, de um total de 472 civis em todo o território sírio.

Nesse período perderam a vida 812 pessoas, frente às 476 que morreram entre 23 de junho e 23 de julho.

Desde o último dia 6 de junho, a coalizão desenvolve junto às FSD uma ofensiva na cidade de Raqqa, considerada a "capital" do califado.


Postar um comentário