Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

China envia caças e navios militares para alertar embarcação dos EUA

A China protestou contra a presença do contratorpedeiro USS Stethem no mar do sul da China neste domingo (2). Pequim acusa Washington de violar sua soberania.


Sputnik

De acordo com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, o USS Stethem ultrapassou as águas territoriais chinesas nas Ilhas Xisha/Paracel no mar do sul da China.


Resultado de imagem para contratorpedeiro USS Stethem
O contratorpedeiro 'USS Stethem' em foto de 22 de março na península coreana (Foto: U.S. Navy/Mass Communication Specialist 3rd Class Kurtis A. Hatcher/Reuters)

Por sua vez, Pequim "despachou navios militares e aviões de combate em resposta para alertar o navio dos EUA".

A chancelaria chinesa exortou os EUA a "parar imediatamente esse tipo de operações provocativas que violam a soberania da China e ameaçam a segurança da China", acrescentando que Pequim continuará a tomar medidas para defender a sua soberania nacional.

O mar do sul da China, onde ficam as Ilhas Xisha/Paracel, é uma região disputada por Brunei, China, Malásia, Taiwan, Filipinas e Vietnã — há suspeitas de que o local conta com vastos recursos energéticos. As autoridades chinesas reivindicam 90% da área e repetidamente afirmam que as atividades do país na região são um direito soberano de Pequim.

Com frequência, os EUA realizam "operações de livre navegação" — colocar embarcações para circular dentro do limite de 12 milhas náuticas das ilhas do mar do sul e do leste da China. Pequim condena a atitude.



Postar um comentário