Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

CIA encerra programa de apoio e treinamento a rebeldes sírios

General negou que decisão tenha sido tomada para conseguir apoio da Rússia e um possível cessar-fogo no sudoeste da Síria. Trump diz que prioridade é eliminar Estado Islâmico, e não derrubar Assad.


France Presse

O chefe das Operações Especiais americanas confirmou nesta sexta-feira (21) que a Agência Central de Inteligência (CIA) está encerrando o seu programa de apoio aos rebeldes que lutam contra o presidente sírio, Bashar al-Assad.

Integrante do Exército Livre Sírio segura arma na vila de Al-Yadudah, dominada por rebeldes, em 19 de julho (Foto: Reuters/Alaa Al-Faqir)
Integrante do Exército Livre Sírio segura arma na vila de Al-Yadudah, dominada por rebeldes, em 19 de julho (Foto: Reuters/Alaa Al-Faqir)

O general Tony Thomas negou que a operação de quatro anos tenha terminado para conseguir o apoio da Rússia e um possível cessar-fogo no sudoeste da Síria.

Foi uma "difícil decisão", mas "absolutamente não é um suborno aos russos", disse Thomas em um fórum em Aspen, no Colorado.

"Acredito ter sido baseado em uma avaliação do programa, o que estamos tentando realizar, a viabilidade no futuro".

Questionada sobre a declaração de Thomas, a CIA se recusou a comentar.

Na quarta-feira, o jornal "The Washington Post" informou que o programa secreto da CIA estava sendo encerrado.

O veículo afirmou que o presidente Donald Trump tomou a decisão há quase um mês, após uma reunião com o chefe da CIA, Mike Pompeo, e com o conselheiro de Segurança Nacional, H.R. McMaster.

O "Washington Post" também disse que Trump tomou a decisão com o objetivo de encontrar formas de trabalhar com a Rússia na Síria, onde Moscou apoia o governo de Assad.

Trump assinalou que o principal objetivo dos Estados Unidos na Síria deve ser a eliminação do grupo Estado Islâmico (EI), ao invés de se opor ao regime de Assad.

O cessar-fogo, que cobre parte da área onde os rebeldes operam, foi anunciado em 7 de julho na Cúpula do G20 em Hamburgo.

O ex-presidente Barack Obama aprovou o programa de ajuda aos rebeldes em 2013, quando vários grupos insurgentes buscavam apoio externo em uma revolta contra o governo de Assad.

Milhares de combatentes opositores ao governo sírio foram treinados e armados.

Mas o compromisso dos Estados Unidos continua ambíguo, em meio a dúvidas de alguns setores sobre as opções dos rebeldes para derrubar Assad e a atenção dada ao crescente poder do EI na Síria e no Iraque.

O apoio ao programa diminuiu em 2016 depois que os rebeldes perderam as áreas ocupadas em Aleppo, na Síria, diante de um ataque das forças do governo apoiadas pela Rússia.

Funcionários americanos declararam nesta semana que algumas forças anti-Assad poderiam ser absorvidas pelos grupos apoiados pelos militares dos Estados Unidos que lutam contra o EI.

Postar um comentário