Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Coreia do Norte ameaça EUA com ataque se tentarem derrubar seu líder

EFE

A Coreia do Norte ameaçou os Estados Unidos nesta terça-feira com um ataque nuclear se Washington tentar derrubar seu líder em resposta à recente insinuação do diretor da CIA, a agência central de inteligência dos EUA, de promover uma mudança de regime no país comunista.


Resultado de imagem para coreia do norte
Donald Trump versus Kim Jong un

"Se os EUA se atreverem a mostrar o menor sinal de uma tentativa de eliminar nosso líder supremo, atingiremos sem piedade o coração dos EUA com nosso poderoso martelo nuclear, aperfeiçoado e fortalecido com o tempo", afirmou um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Coreia do Norte em declarações à agência oficial do país, "KCNA", veiculadas pela sul-coreana "Yonhap".

O diretor da CIA, Mike Pompeo, aludiu em uma conferência na semana passada à possibilidade de uma mudança de regime em Pyongyang, ao dizer que o mais importante que Washington poderia fazer é "separar a capacidade (nuclear) de alguém com um propósito (nuclear)".

Segundo a Coreia do Norte, os EUA "estão ultrapassando os limites, e agora está claro que o último objetivo do governo Trump é a mudança de regime" e afirmou que se Pyongyang ver seu futuro comprometido, "deverá aniquilar de maneira preventiva os países e entidades que estejam direta ou indiretamente envolvidos, mobilizando todo tipo de ataques, inclusive nucleares".

As palavras do porta-voz norte-coreano vêm à tona no mesmo dia em que a Coreia do Norte anunciou a visita ao seu território de Oleg Burmistrov, o segundo encarregado da Rússia nas paralisadas negociações a seis lados para a desnuclearização do país, disse a "Yonhap" citando fontes da agência norte-coreana "KCNA".

Burmistrov teria iniciado uma visita de quatro dias no sábado para discutir com as autoridades locais a situação de tensão na península coreana e, durante sua estadia no país, teria se reunido com o vice-ministro de Relações Exteriores e com uma pessoa responsável pelos assuntos relativos à América do Norte.

"Dissemos (ao representante russo) que, se Washington não abandonar sua política hostil para o Norte e se não acabar com suas ameaças nucleares, os mísseis balísticos e as armas nucleares não serão tema de discussão", disse a "KCNA".

Pyongyang também deixou claro para Burmistrov que não vai "ceder nem um centímetro" em sua vontade de fortalecer seu potencial nuclear.


Postar um comentário