Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Damasco corre risco de cair em uma armadilha do Daesh

Tomar a cidade síria de Al-Sukhnah e realizar um movimento de pinça sem a ajuda da Força Aeroespacial da Rússia será muito complicado para o Exército da Síria, opina o especialista militar russo, Aleksandr Zhilin.


Sputnik

Pouco a pouco, as unidades do exército sírio continuam cercando a cidade de Al-Sukhnah, cuja tomada é estrategicamente muito importante para Bashar Assad.


Soldados sírios nos arredores de Raqqa, Síria
Tropas sírias próximas a Raqqa © AFP 2017/ STRINGER

A localidade é o último grande bastião que os extremistas do grupo Daesh (proibido na Rússia e em outros países) ocupam na província de Homs e que se encontra entre Palmira e Deir ez-Zor.

Supõe-se que, após a libertação de Al-Sukhnah, as tropas sírias possam começar uma ofensiva em direção a Raqqa, onde poderão se reunir com outras tropas de Bashar Assad.

Caso o exército sírio atinja seu objetivo, poderá realizar o movimento de pinça mais ambicioso desde o início do conflito.

Graças a esta tática, as tropas sírias conseguiram anteriormente alguns êxitos, entre os quais a libertação de várias regiões de Aleppo. A manobra indicada começou a ser utilizada depois que a Rússia se envolveu no conflito sírio.

Agora, caso seja iniciada a operação, os terroristas entrincheirados em três províncias, Homs, Raqqa e Hama, serão simultaneamente cercados pelos soldados sírios.

Os representantes do Exército Sírio estão convencidos que poderão tomar facilmente Al-Sukhnah sem recorrer à ajuda da Força Aeroespacial da Rússia, que desempenhou um papel crucial na libertação da cidade síria de Palmira.

Por sua parte, o especialista militar, Aleksandr Zhilin, entrevistado pela agência FAN, acredita que tomar a cidade sem ajuda da aviação russa será muito difícil para as forças sírias.

"Lembro que o balanço das forças atacantes face aos defensores é de um contra três, isto é, não é a favor das tropas sírias. É por isso que os soldados sírios enfrentam uma missão quase impossível de cumprir [sem ajuda da aviação russa]", sublinha.

Além disso, o analista destacou que a situação na região dependerá sobretudo das forças que, segundo ele, controlam clandestinamente todas as ações dos terroristas. São estas forças que possuem mais possibilidades para influenciar a situação, enquanto o exército sírio não conta com militares suficientes.

"Os terroristas são apenas uma arma, uma ferramenta na guerra, por isso é complicado prever que ordem receberão de seus mestres. Ou seja, dos oficiais de empresas militares privadas subordinadas aos serviços de inteligência europeus e norte-americanos. Eles utilizam o terrorismo para que na Síria não haja paz, mas sim combates sem cessar", opinou.

Além disso, a operação de libertação de Al-Sukhnah pode ser dificultada por ações de diferentes grupos de sabotagem que cada vez mais frequentemente realizam ações na retaguarda das tropas sírias.

"As sabotagens se tornaram uma prática muito popular que está incluída no programa de preparação dos terroristas do Daesh. Desta maneira, pequenos grupos de três ou quatro terroristas procuram refúgio no deserto e depois efetuam atentados na retaguarda", comunicou o analista militar Anton Mardasov.



Postar um comentário