Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Em entrevista, Jungmann diz que espera decreto de Temer para enviar Forças Armadas ao RJ

Operação, ainda sem data marcada, será liderada pelo Comando Militar do Leste, disse o ministro em entrevista à Rádio CBN.


Por G1 Rio


O Ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse na manhã desta terça-feira (25) que espera apenas o decreto do Presidente Michel Temer para enviar as Forças Armadas para ajudar no combate à criminalidade no Rio. A declaração foi feita durante entrevista à Rádio CBN. O plano nacional de segurança, segundo ele, irá até dezembro de 2018.

Após reforço no primeiro semestre, Rio volta a receber Forças Armadas em breve, diz Ministro da Defesa (Foto: Reprodução)
Após reforço no primeiro semestre, Rio volta a receber Forças Armadas em breve, diz Ministro da Defesa (Foto: Reprodução)

A operação, que terá data mantida em sigilo, será comandada pelo Comando Militar do Leste. "A idéia é ser um fator surpresa que é fundamental para dar um golpe na criminalidade", explicou Jungmann.

Os custos, de acordo com ele, serão definidos através de cada ação, e que cada uma delas terá um número de soldados indicado pela Inteligência brasileira. Em fevereiro, durante greves de setores da PM e de forças de segurança, 9 mil homens atuaram durante sete dias no Estado.

Ele reiterou que "as tropas não podem vir para o rio sem autorização, através de decreto pelo presidente da república que sai nos próximos dias. O ministro disse ainda que "não há mobilização de forças armadas no território nacional sem autorização do presidente".

Captura do poder público pelo crime

Para Jungmann, o Rio de Janeiro está no estágio mais avançado nessa captura do poder público pelo crime: segundo ele, são 800 comunidades sob controle do crime organizado. " Quem controla tem voto; o crime tem a capacidade de colocar seus representantes no próprio governo", afirmou o ministro, que batizou essa configuração como "Coração das Trevas".

O ministro criticou a conivência do poder público com os setores da criminalidade, ao afirmar que "o comando do crime está dentro dos presídios e penitenciárias", e que deve ser prioridade "cortar essa comunicação do crime do seu 'homeoffice'."

Ele ainda citou a recente fase da Operação Lava-Jato que prendeu cinco dos seis conselheiros do Tribunal de Contas do Estado que foram acusados de receber propina para um esquema que pode ter desviado até 20% de contratos com órgãos públicos para autoridades públicas, sobretudo membros do TCE-RJ e da Alerj.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas