Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Especialista sobre testes de armas a laser: os EUA 'combinam trabalho com prazer'

Segundo a mídia, os EUA testaram o seu novo Sistema de Armas a Laser (LaWS) no golfo Pérsico. O especialista militar Boris Rozhin acha que esses testes são um sinal importante.


Sputnik

De acordo com a emissora CNN, a Marinha dos EUA testou o seu sistema de armas a laser no golfo Pérsico.


LaWS
LaWS | CC0 / U.S. Navy photo by John F. Williams/Released

Segundo Christopher Wells, capitão do navio, o novo sistema é mais preciso do que uma bala e pode ser usado contra uma variedade de alvos. Um drone, usado como alvo, caiu no mar depois de ser atingido por um raio laser. De acordo com militares norte-americanos, o ataque foi invisível e silencioso.

O especialista militar russo Boris Rozhin disse ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA têm vindo a desenvolver armas a laser "desde a Guerra Fria".

"Estes programas têm sido desenvolvidos desde a Guerra Fria. Naquela altura tanto a União Soviética como os EUA desenvolviam deferentes tipos de armas, incluindo armas a laser. Depois do colapso da União Soviética, uma parte das tecnologias e alguns especialistas russos se mudaram para os EUA, o que, sem dúvida, acelerou o programa norte-americano. Nos últimos anos se tem observado um progresso dos norte-americanos em armas a laser, instaladas em estruturas marítimas, terrestres e aéreas. Embora atualmente não se trate da plena introdução nas Forças Armadas, esta concepção está ganhando forma. Poderia se dizer que, a longo prazo, serão feitos modelos de armas que poderão ser fornecidas em pequenas quantidades às Forças Armadas ou à Marinha dos EUA", disse Rozhin.

Segundo ele, os testes de armas a laser no golfo Pérsico são um sinal para o Irã.

"Nesses testes os EUA 'combinam trabalho com prazer': eles são também um sinal para o Irã, que é visto como adversário pelos aliados dos EUA. Estes testes visam mostrar que os EUA têm algumas vantagens tecnológicas e técnico-militares sobre os testes iranianos de diferentes mísseis e outros tipos de armas inovadoras", sublinha o analista.



Postar um comentário