Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Kremlin pede aos EUA para dar um basta na esquizofrenia política

Para normalizar as relações entre os EUA e a Rússia é necessário demonstrar vontade política e deixar de ditar sanções, explica o porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov.


Sputnik

"A solução para esta situação é a demonstração de vontade política para estabelecimento de relações durante o processo de reabilitação da exacerbação da esquizofrenia política, da fixação de desejo de normalizar as relações e da recusa das tentativas de ditar sanções", disse Peskov.


Kremlin, Moscou
Kremlin, Moscou © Sputnik/ Vladimir Sergeev

Mais do que isso, o porta-voz do presidente da Rússia assinalou que o próprio Putin disse que a Rússia está interessada em cooperar com os EUA em áreas de interesse comum.

Mais tarde, o presidente russo Vladimir Putin anunciou que a missão diplomática dos EUA na Rússia será como a missão diplomática russa nos Estados Unidos, ou seja, com 455 pessoas de cada lado. Segundo ele, mais de mil funcionários — diplomatas e técnicos — trabalharam e ainda estão trabalhando na Rússia. Sendo assim, 755 americanos terão que voltar para casa, encerrando seus trabalhos na Federação da Rússia.


Postar um comentário