Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

'Manobras inúteis': por que navios de guerra da OTAN baixaram âncora no porto de Odessa

Segundo o especialista militar russo, Aleksandr Mozgovoi, a chegada de dois navios de guerra ao porto de Odessa pode ser considerada como uma tentativa da Aliança de pressionar a Rússia.


Sputnik

Segundo Aleksandr Mozgovoi, especialista militar russo, a chegada de dois navios de guerra ao porto de Odessa pode ser considerada como uma tentativa da Aliança de pressionar a Rússia.


Destróier britânico do projeto Tipo 45 HMS Duncan
Destroier britânico da Classe Tipo 45 HMS Duncan © Foto: royalnavy.mod.uk

Na segunda-feira (24), a assessoria de imprensa da Marinha ucraniana informou que dois navios do grupo naval permanente da Aliança Atlântica (o destróier Duncan da Marinha britânica e a fragata da Turquia Yildirm) teriam baixado âncora na cidade ucraniana de Odessa.

Na semana passada (de 10 a 23 de julho), militares de 17 países participaram dos exercícios navais Sea Breeze 2017, organizados pelos EUA e pela Ucrânia no mar Negro.

Aleksandr Mozgovoi disse ao serviço russo da Rádio Sputnik que a acumulação de forças da OTAN na região está ligada às tentativas da Aliança de pressionar a Rússia.

"A OTAN tenta pressionar a Rússia, sobretudo na Crimeia, e por isso eles flexionam os seus músculos militares na região. Entretanto, acho que isso seja uma espécie de manobras inúteis, porque qualquer navio da OTAN que esteja nas águas do mar Negro, em caso de conflito militar, está condenado à morte", disse Mozgovoi.

Ele se surpreende que os países-membros da OTAN queiram incluir a Marinha da Ucrânia nas manobras, pois, para ele, esta "marinha" não existe.

"Dando nome às coisas, a Ucrânia não possui marinha alguma. Eles romperam relações econômicas e técnico-militares com a Rússia. O maior navio da Marinha ucraniana, Getman Sagaidachny, foi danificado recentemente. Eles mesmos construíram três barcos blindados, mas isso é verdade – o [presidente ucraniano Pyotr] Poroshenko só está ganhando dinheiro, porque barcos foram construídos na fábrica dele, mas não possuem sentido militar algum", acrescentou Mozgovoi,

O especialista militar comentou também o anúncio do ministro ucraniano da Defesa, Stepan Poltorak, sobre a Rússia poder usar as manobras Zapad 2017, que decorrerão entre 14 e 20 de setembro deste ano, para iniciar provocações. Segundo Mozgovoi, estas declarações não têm nada a ver com a realidade.

"Declarações deste tipo são feitas quase diariamente. Isso é feito para fazer a pressão e para, possivelmente, influenciar, de forma alguma, a extensão das manobras, embora não sejam extravagantes e não ameacem os países da OTAN", disse especialista militar.


Postar um comentário