Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Marinha dos EUA testa novo sistema de armas laser no Golfo Pérsico

A Marinha dos EUA testou o seu novo Sistema de Armas a Laser (LaWS) no Golfo Pérsico, informou a mídia nesta terça-feira.


Sputnik

De acordo com a emissora CNN, o sistema LaWS, que é capaz de se mover à velocidade da luz e é 50 mil vezes mais rápido do que o míssil balístico intercontinental (ICBM), foi implantado a bordo do navio de transporte USS Ponce.


The Laser Weapon System (LaWS)
Arma laser LaWS © AP Photo/ US Navy, John F. Williams

"É mais preciso do que uma bala… Não é um sistema de armas de nicho como algumas outras armas que temos em todo o exército, que são apenas boas contra os alvos aéreos, ou só contra alvos de superfície, ou só contra alvos terrestres. Esta é uma arma muito versátil, que pode ser usada contra uma variedade de alvos", disse Christopher Wells, o capitão do navio, citado pela emissora.

O teste foi realizado com a ajuda de um drone, que serviu de alvo. A equipe de armas mirou o sistema contra o drone e disparou, o que destruiu a aeronave por aquecimento a uma temperatura de milhares de graus, especificou o locutor.

O tenente Cale Hughes, responsável pelo sistema de armas a laser, disse à CNN que a LAWS operava dentro de uma parte invisível do espectro eletromagnético, sendo absolutamente silenciosa e "incrivelmente eficaz no que faz".


Postar um comentário