Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Nota do CECOMSAER sobre o C-767

Poder Aéreo

O C-767, versão militar do Boeing 767, é operado pelo 2º/2º Grupo de Aviação, Esquadrão Corsário, unidade aérea especializada em transporte, que utilizou até 2013 o KC-137, versão militar dos jatos Boeing 707.


C-767 da FAB

O Boeing 767 retoma a capacidade de transporte aerologístico da FAB, e preenche importante lacuna entre a desativação do KC-137 (Boeing 707) e a chegada do KC-390 (prevista para 2018).

A aeronave pode transportar mais de 250 passageiros, possui capacidade de carga de 38 toneladas, somando-se os dois porões, e volume de 115m3.

A aeronave já transportou cerca de 4.800 militares para atuarem nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e mais de 150 toneladas de carga nesse mesmo período. Em outubro do ano passado, o Esquadrão Corsário realizou o transporte de carga em apoio aos militares brasileiros da Missão de Paz das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) e donativos às vítimas do furacão que atingiu o país.

O 767 será importantíssimo no processo de desmobilização das tropas brasileiras no Haiti que acontecerá agora no segundo semestre de 2017.

Além disso, este ano a aeronave transportou médicos para missões humanitárias no Nordeste, além de integrantes do Projeto Rondon para a região Norte do país.

Devido ao seu considerável alcance, mesmo não tendo nenhuma configuração interna especial dedicada a apoio à Presidência da República, a aeronave foi utilizada pelo Presidente uma vez em julho, durante viagem para reunião do G20 na Alemanha.

A suspensão dos serviços de táxi aéreo da empresa COLT no Brasil em nada afeta o contrato de locação da aeronave, o qual está sendo rigorosamente cumprido e com todos os requisitos operacionais atendidos plenamente e sem interrupção. A aeronave já voou quase 800 horas com um índice médio de despachabilidade superior a 95%, e de disponibilidade superior a 80%.

O contrato de locação do Boeing 767 300ER foi assinado em junho de 2016. Com valor de U$ 19,777 milhões, o contrato tem duração de três anos, prorrogável por mais um, e inclui a manutenção e o seguro da aeronave.



Postar um comentário