Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA lançam à água 2 novíssimos submarinos nucleares de ataque

Nos EUA foram lançados à água dois novíssimos submarinos nucleares de ataque, USS Delaware (SSN-791) e USS Vermont (SSN-792), equipados com mísseis de cruzeiro Tomahawk, informou a assessoria de imprensa da Marinha dos EUA.
Sputnik

O USS Delaware (versão Block III) foi lançado à água em Newport News (estado da Virgínia), enquanto o USS Vermont (versão Block IV) foi lançado em Groton (estado de Connecticut). A construção dos Delaware e Vermont vai terminar em 2019.


Os dois submarinos pertencem à classe Virginia, que recebeu seu nome do primeiro submarino dessa classe, USS Virginia (SSN-774), entregue à Marinha dos EUA em 2004.

Os Delaware e Vermont têm equipamento eletrônico e de rádio moderno, produzem pouco ruído e serão equipados com 12 mísseis de cruzeiro de alta precisão Tomahawk.

Os submarinos nucleares de ataque da classe Virginia são submarinos polivalentes da Marinha dos EUA de quarta geração e se destinam para missões de longa duração em alto mar ou no litoral.

Novas sanções dos EUA contra a Rússia podem ser um tiro no pé?

As novas sanções dos EUA contra a Rússia podem ter efeitos imprevisíveis em Washington, segundo Angela Stent, diretora do Centro de Estudos Eurasiáticos, Russos e do Leste Europeu da Universidade de Georgetown.


Sputnik

Em seu artigo para a revista The National Interest ela destacou que a nova medida afeta os interesses de empresas norte-americanas e europeias.


A UE e os EUA não conseguem alcançar uma solução mutuamente aceitável
© flickr.com/ akob Huber/ECI Stop TTIP!

"Se [o projeto de lei] for aprovado em seu formato atual, a medida será um golpe não só para a Rússia, mas também para empresas americanas e europeias, em função das limitações que serão impostas e que afetam os projetos na área de energia com participação de empresas russas", explica a especialista.

Ela destacou que as sanções afetam, inclusive, a construção do gasoduto Nord Stream - 2 (Corrente do Norte), projeto apoiado e com a participação da Alemanha e de outros países europeus.

"Alguns funcionários europeus já avisaram que UE poderá rever o regime de sanções [antirrussas] elaborado durante a administração de Obama, se esta nova lei for aprovada. Isso, é claro, será uma boa notícia para o Kremlin", adicionou Stent.

No dia 27 de julho, o Senado dos EUA aprovou o projeto de lei que amplia as sanções contra a Rússia, o Irã e a Coreia do Norte.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas