Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Por que países detentores de armas nucleares não vão abdicar delas?

Os países-membros da ONU que não possuem armas nucleares pretendem adotar uma convenção sobre a proibição total destas armas. Se o documento for aprovado na conferência da ONU, ele vai ser enviado para aprovação à Assembleia Geral.


Sputnik

A discussão está sendo realizada sem a participação das potências nucleares, que não pretendem assinar o documento. Em Moscou e Washington acreditam que agora não é o momento de abdicar de um escudo nuclear. De acordo com especialistas, a adoção da convenção poderia levar a uma desestabilização da situação no mundo.


Resultado de imagem para armas nucleares

Na sexta-feira, 7 de julho, na conferência das Nações Unidas deve ser adotado o texto final da convenção sobre a proibição total das armas nucleares. Depois, o documento será remetido à Assembleia Geral da ONU. Na véspera, a presidente da conferência, Elayne Whyte Gómez, apresentou o projeto de convenção com todas as correções necessárias.

O documento prevê o completo desarmamento nuclear. Os países que o ratificarem vão garantir que nunca vão desenvolver, adquirir, distribuir ou armazenar armas nucleares. Assim, o uso da tecnologia nuclear para fins militares ficará sob proibição total.

A convenção entrará em vigor se os 50 estados-membros da ONU a ratificarem. Agora só os países que não têm armas nucleares mostraram seu interesse nesta convenção. Os cinco membros permanentes do Conselho da Segurança da ONU (a Rússia, os EUA, a China, a França e Grã-Bretanha) recusaram negociar o assunto.

Todos os Estados-membros do "clube nuclear" estão solidários sobre a questão da proibição total de armas nucleares – são contra.

Lembramos que no final do ano de 2016, a Assembleia Geral da ONU representou para votação uma resolução relativa à convenção sobre a proibição de armas nucleares. A iniciativa foi apoiada por 113 países; outros 34 estados, incluindo a Rússia, votaram contra.

Aparentemente, proibir as armas nucleares vão apenas os países que nunca as tiveram.

O poder destrutivo das armas nucleares impediu durante décadas a confrontação militar aberta entre as grandes potências. Assim, a Guerra Fria entre a União Soviética e os Estados Unidos não passou para uma fase "quente" devido à presença de armas nucleares em ambos os países, escreve Nadezhda Alekseeva para RT.

O vice-ministro russo das Relações Exteriores Sergei Ryabkov tem uma opinião semelhante.

"As armas nucleares são um fator que mantém a estabilidade, um fator que garante a segurança internacional e a nossa segurança, que protege o mundo dos conflitos mais terríveis", disse ele.

Washington expressou uma opinião análoga. De acordo com o representante do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Christopher Ford, a convenção sobre o desarmamento nuclear completo não vai ajudar a manter a paz e a segurança no mundo.

Em março de 2017, a representante permanente dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse que os EUA não podem desistir de seu arsenal nuclear e, assim, garantir a segurança dos seus cidadãos. Um mundo livre de armas nucleares é um sonho inatingível, disse Haley, lembrando os testes nucleares realizados na Coreia do Norte.

Pequim também boicotou a conferência sobre o desarmamento nuclear. Durante a votação da resolução da ONU, em dezembro, a China se absteve. No entanto, Xi Jinping tem muitas vezes falado sobre a necessidade da proibição total das armas nucleares.

Caso a convenção em questão seja assinada só pelos Estados não-nucleares, o documento vai perder todo o sentido. Para os países não-nucleares esta convenção duplica de fato uma outra já existente – o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP). Os países nucleares não a pretendem ratificar.


Postar um comentário