Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Porta-aviões chinês chega a Hong Kong exibindo poder naval (video)

Residentes do território autônomo vêem a chegada do Liaoning como sublinhando a posição linha dura do presidente chinês uma semana após sua visita à cidade


Poder Naval

O primeiro porta-aviões da China emergiu da névoa nas águas ao sul de Hong Kong na manhã desta sexta-feira, liderando a flotilha de quatro navios que deu uma poderosa demonstração do poder de Pequim.

Porta-aviões chinês Liaoning

O navio-aeródromo, batizado de Liaoning homenageando uma província do nordeste do país, navegou entre meia dúzia de porta-contêineres quando entrou nas águas de Hong Kong, por volta das 7h30.

A visita inaugural do navio a Hong Kong ocorre menos de uma semana depois que o presidente chinês, Xi Jinping, visitou a cidade, alertando que a antiga colônia britânica não deve se tornar uma plataforma de lançamento para os desafios à autoridade de Pequim.

Centenas de Hong Kongers ansiosos acamparam durante a noite, enfrentando chuvas esporádicas e temperaturas em torno de 30ºC, para conseguir um dos únicos 2.000 ingressos para visitar o porta-aviões. Mas as visitações serão rigorosamente controladas, sem câmeras permitidas a bordo e apenas os residentes permanentes da cidade puderam receber ingressos. A mídia estrangeira não foi convidada a visitar o navio.


FONTE: The Guardian / FOTOS: AFP e Getty Images



Postar um comentário