Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Porta-aviões norte-americano chega à costa de Israel

O porta-aviões nuclear USS George H.W. Bush, da Marinha dos EUA, chegou à costa israelense, se tornando assim o primeiro navio deste tipo nas águas do país nos últimos 17 anos.


Sputnik


Como destaca a TV local, o navio lançou âncora perto da cidade setentrional de Haifa e, como se espera, permanecerá no local durante quatro dias.

Porta-aviões USS George H.W. Bush, foto de arquivo
Porta-aviões nuclear norte-americano USS George H. W. Bush © AP Photo/ Claude Paris

"O porta-aviões gigante USS George H.W. Bush, batizado em nome do ex-presidente americano, lançou âncora na entrada do golfo de Haifa. Estão marcadas excursões para milhares de militares norte-americanos de várias cidades israelenses", acrescenta o canal.

A visita do premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, bem como do ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, ao porta-aviões está prevista para segunda-feira (3).

A bordo do navio estão mais de 5.700 militares, bem como dezenas de aviões e helicópteros. O USS George H.W. Bush participa já durante dois anos das operações contra o Daesh (organização terrorista, proibida na Rússia).

Postar um comentário