Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Publicadas as primeiras imagens de suposta base dos EUA no norte da Síria

O jornalista alemão Julian Roepcke compartilhou no seu Twitter imagens alegadamente tiradas no norte da Síria.


Sputnik

"Impressionante… O Exército dos EUA construiu uma sofisticada base aérea, assegurando assim às Forças Democráticas da Síria seu apoio a longo prazo no norte da Síria", escreveu. 


Veja: https://twitter.com/JulianRoepcke/status/882196614298951680?ref_src=twsrc%5Etfw&ref_url=https%3A%2F%2Fbr.sputniknews.com%2Foriente_medio_africa%2F201707058797005-base-sofisticada-eua-siria-fotos%2F

Caças norte-americanos F-15 na Síria
Caças F-15 da USAF na Síria © REUTERS/ U.S. Air Force

Tanto a Síria como seus aliados na guerra antiterrorista têm condenado a presença de forças norte-americanas, britânicas, francesas e alemãs em seu território, já que estas não contam com a permissão oficial de Damasco e sua presença não foi aprovada pelo Conselho de segurança da ONU.

Nomeadamente, os especialistas norte-americanos prestam assistência militar às Forças Democráticas da Síria, um grupo armado operando no norte do país árabe, compostas principalmente por milícias curdas das Unidades de Proteção Popular (YPG) da Síria.

Além deste novo alegado aeródromo, os EUA já dispõem de duas pistas de aterrissagem no sul da Síria, perto das fronteiras da Jordânia e do Iraque, respetivamente.



Postar um comentário