Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

Rússia e China demonstram novo conceito de segurança internacional

Os treinamentos navais da Rússia e China são uma demonstração da expansão da cooperação militar dentro da Organização para Cooperação de Xangai, contou à Sputnik o capitão-de-mar-e-guerra russo Mikhail Nenashev.


Sputnik

Navios chineses foram bem recebidos no porto da cidade de Baltiysk, que fica na região russa de Kaliningrado, na sexta-feira passada (21), para participarem dos treinamentos navais conjuntos Cooperação Marítima 2017.


O destróier Hefei da classe 052D da Marinha chinesa chega a Baltiysk para os treinamentos da China e da Rússia Cooperação Naval 2017
Destróier chinês Hefei da Classe 052D © Sputnik/ Igor Zarembo

Os navios de guerra chineses que participam dos exercícios incluem o destróier de mísseis guiados Hefei, a fragata Yuncheng e o navio de abastecimento Lomahu. Por parte da Rússia foram destacadas duas corvetas da classe Steregushchiy — a Steregushchiy e a Boikiy, um reboque de salvamento, helicópteros embarcados Ka-27, bombardeiros táticos Su-24 e um avião de transporte militar An-26.

Após uma fase costeira, na segunda-feira (25) as marinhas começaram a segunda fase de mar. Os treinamentos incluem a defesa antinavio, antissubmarino e antiaérea, bem como busca e salvamento e combate à pirataria.

O especialista militar capitão-de-mar-e-guerra Konstantin Sivkov, disse à Sputnik que a chegada de navios chineses ao Mar Báltico é uma demonstração sem precedentes quanto à disponibilidade de Pequim para uma maior cooperação em defesa com Moscou, assim como para mostrar seus músculos militares na arena global.

Ele frisou também, que isso "mostra que a China está comprometida com o apoio à Rússia não apenas na região do Pacífico, mas também, se for preciso, pode transferir seus navios de guerra para ajudar Moscou na região do Atlântico através da Rota Marítima do Norte".

A Rússia e a China são membros fundadores da Organização para Cooperação de Xangai, cujo objetivo é promover a cooperação no campo da política, economia e segurança entre os países da Eurásia. Com a Índia e Paquistão passando a integrar a Organização, a quantidade de membros aumentou para oito países.

O capitão-de-mar-e-guerra russo Mikhail Nenashev disse que os treinamentos podem sinalizar o alargamento das responsabilidades da Organização, particularmente à luz da agressão por parte do OTAN.

"Estamos vendo que a UE está presa em contradições, mas a segurança internacional exige jogadores fortes. A Rússia e a China estão mostrando para o mundo que seus esforços para manter a paz estão atingindo uma escala transatlântica. Moscou e Pequim estão oferecendo ao mundo um novo conceito de segurança internacional."

Nenashev disse que a OTAN vai acompanhar atentamente as atividades das duas marinhas, mas seus navios dificilmente podem chegar muito perto dos treinamentos.

"Há um enorme interesse internacional quanto a esses treinamentos, mas eu não acho que a OTAN vá realizar quaisquer provocações."


Postar um comentário