Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Morte made in Brazil: conflitos no Oriente Médio alavancam exportação de armamento do país

Uma missão árabe chegou ao Brasil interessada na compra de cargueiros KC-390 fabricados pela Embraer. A visita é resultado do esforço do Grupo Parlamentar Brasil-Arábia Saudita, criado no início deste mês, para aproximar os dois países no campo de defesa militar.
Sputnik

O KC-390 vai substituir os Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), é o maior avião produzido na América e foi concebido como um jato militar de transporte, anunciado pela primeira vez na edição de 2007 da Latin America Aero & Defence (LAAD), no Rio de Janeiro. A produção do avião, com capacidade para 23 toneladas de carga, envolve parcerias com fornecedores de peças de Argentina, Portugal e República Tcheca. Com um custo unitário de US$ 85 milhões, o KC-390, em fase final de testes, tem recebido propostas de compra de vários países.



A compra do cargueiro, porém, é apenas um detalhe na exportação brasileira de armamentos não só para a Arábia Saudita, como também para vários países do Oriente Médio e do Norte d…

Rússia e China demonstram novo conceito de segurança internacional

Os treinamentos navais da Rússia e China são uma demonstração da expansão da cooperação militar dentro da Organização para Cooperação de Xangai, contou à Sputnik o capitão-de-mar-e-guerra russo Mikhail Nenashev.


Sputnik

Navios chineses foram bem recebidos no porto da cidade de Baltiysk, que fica na região russa de Kaliningrado, na sexta-feira passada (21), para participarem dos treinamentos navais conjuntos Cooperação Marítima 2017.


O destróier Hefei da classe 052D da Marinha chinesa chega a Baltiysk para os treinamentos da China e da Rússia Cooperação Naval 2017
Destróier chinês Hefei da Classe 052D © Sputnik/ Igor Zarembo

Os navios de guerra chineses que participam dos exercícios incluem o destróier de mísseis guiados Hefei, a fragata Yuncheng e o navio de abastecimento Lomahu. Por parte da Rússia foram destacadas duas corvetas da classe Steregushchiy — a Steregushchiy e a Boikiy, um reboque de salvamento, helicópteros embarcados Ka-27, bombardeiros táticos Su-24 e um avião de transporte militar An-26.

Após uma fase costeira, na segunda-feira (25) as marinhas começaram a segunda fase de mar. Os treinamentos incluem a defesa antinavio, antissubmarino e antiaérea, bem como busca e salvamento e combate à pirataria.

O especialista militar capitão-de-mar-e-guerra Konstantin Sivkov, disse à Sputnik que a chegada de navios chineses ao Mar Báltico é uma demonstração sem precedentes quanto à disponibilidade de Pequim para uma maior cooperação em defesa com Moscou, assim como para mostrar seus músculos militares na arena global.

Ele frisou também, que isso "mostra que a China está comprometida com o apoio à Rússia não apenas na região do Pacífico, mas também, se for preciso, pode transferir seus navios de guerra para ajudar Moscou na região do Atlântico através da Rota Marítima do Norte".

A Rússia e a China são membros fundadores da Organização para Cooperação de Xangai, cujo objetivo é promover a cooperação no campo da política, economia e segurança entre os países da Eurásia. Com a Índia e Paquistão passando a integrar a Organização, a quantidade de membros aumentou para oito países.

O capitão-de-mar-e-guerra russo Mikhail Nenashev disse que os treinamentos podem sinalizar o alargamento das responsabilidades da Organização, particularmente à luz da agressão por parte do OTAN.

"Estamos vendo que a UE está presa em contradições, mas a segurança internacional exige jogadores fortes. A Rússia e a China estão mostrando para o mundo que seus esforços para manter a paz estão atingindo uma escala transatlântica. Moscou e Pequim estão oferecendo ao mundo um novo conceito de segurança internacional."

Nenashev disse que a OTAN vai acompanhar atentamente as atividades das duas marinhas, mas seus navios dificilmente podem chegar muito perto dos treinamentos.

"Há um enorme interesse internacional quanto a esses treinamentos, mas eu não acho que a OTAN vá realizar quaisquer provocações."


Postar um comentário