Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Rússia lembra à Lituânia as consequências da instalação de mísseis Patriot

As palavras da presidente da Lituânia Dalia Grybauskaite sobre a racionalidade de instalação de sistemas de mísseis norte-americanos Patriot nos países do Báltico podem levar a uma nova vaga de escalada na região, comunicou à Sputnik o funcionário do MRE russo Mikhail Ulyanov.


Sputnik

Na quinta-feira, Grybauskaite assistiu aos exercícios da OTAN Tobruq Legacy 2017 na cidade de Siauliai. No seu discurso, a presidente declarou a necessidade da presença permanente de sistemas de mísseis norte-americanos nos países do Báltico. De acordo com ela, isso garantiria "um nível mais alto de segurança a todos os nossos países".


Mísseis americanos Patriot instalados na Polônia
Mísseis norte-americanos Patriot instalados na Polônia © Sputnik/ Igor Zarembo

"Esta declaração sinaliza a continuação da linha política de Vilnius destinada à escalada das tensões e ao reforço dos armamentos, além disso, não de seus próprios, mas dos armamentos de terceiros países perto das fronteiras russas", acrescentou Ulyanov.

De acordo com ele, não é claro como esta linha pode contribuir para o reforço da segurança na região do Báltico e para a segurança da própria Lituânia. A posição de Vilnius não coincide com "a linha dos aliados da Lituânia na OTAN e na União Europeia que se preocupam seriamente com as tendências no continente europeu".

"Vou lembrar que no final do ano passado, durante a reunião da OSCE ao nível ministerial, foi aprovada a decisão, por iniciativa da Alemanha, sobre o início de um 'diálogo estrutural' no domínio da segurança. Apesar de a Lituânia se ter juntado a essa decisão, é evidente que na sua política nacional Vilnius aposta não no diálogo, mas no reforço da oposição militar", acrescentou Ulyanov.

Em julho de 2016, durante a cúpula da OTAN em Varsóvia, foi aprovada a decisão sobre o "reforço do flanco oriental", onde a Aliança pretende instalar batalhões internacionais na Lituânia, Letônia, Estônia e Polônia.

Moscou tem repetidamente sublinhado que a Rússia nunca vai atacar qualquer país da OTAN. De acordo com o ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov, todos na OTAN sabem disso e utilizam a ameaça russa como um pretexto para o posicionamento de forças adicionais na região.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas