Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia lança operação contra milícia curda na Síria, bombardeios matam dez

Curdos dizem que sete dos mortos eram civis, entre eles uma criança de oito anos. Presidente turco foi advertido que operação poderia complicar as relações com Washington e Moscou.
France Presse
O Exército turco lançou neste sábado (20) uma operação aérea e terrestre para expulsar uma milícia curda que controla o norte da Síria e que Ancara considera uma organização terrorista, desafiando as advertências americanas de que a ação poderia desestabilizar a região.

Neste sábado, bombardeios resultantes desta operação na região de Afrin (nordeste da Síria) deixaram dez mortos, a maioria civis, afirmou um porta-voz da milícia curda.

"Sete civis morreram, entre eles uma criança de oito anos, assim como duas mulheres combatentes e um homem combatente", declarou Birusk Hasakeh, porta-voz das Unidades de Proteção Popular (YPG) em Afrin.

O braço político das YPG, o Partido da União Democrática (PYD), informou que 25 civis haviam ficado feridos nos bombardeios turcos.

Nos últimos dias, Ancara…

Síria diz que relatório da OPAQ sobre ataque químico em Idlib é falso

O Ministério das Relações Exteriores da Síria fez um apelo para que a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) conduza um relatório imparcial e apropriado sobre o suposto ataque químico na região síria de Idlib.


Sputnik

Na última sexta-feira (30) a OPAQ afirmou que foi usado o gás sarin como arma química no ataque provocado em Idlib no dia 4 de abril.


A Syrian man is taken by civil defence workers to a small hospital in the town of Maaret al-Noman following a suspected toxic gas attack in Khan Sheikhun, a nearby rebel-held town in Syria’s northwestern Idlib province
Vítima do ataque químico, em Idlib, na Síria © AFP 2017/ Mohamed al-Bakour

"A República Árabe da Síria pede à OPAQ que apresente um relatório justo e crível, sem a influência da chantagem por parte de outros países e partidos, que impedem a organização de alcançar a verdade e prejudicam sua autoridade e independência", declarou a diplomacia síria neste sábado.

Na última sexta-feira a Coalizão Nacional das Forças da Revolução e da Oposição da Síria culpou o governo do presidente sírio Bashar Assad pelo ataque com armas químicas em Khan Shaykhun, que matou dezenas de pessoas, incluindo crianças.

A chancelaria síria, por sua vez, enfatizou que o relatório não pode ser considerado credível, pois é baseado em fatos fornecidos por terroristas da Turquia. De acordo com o ministério, o relatório contém testemunhos de pessoas que foram subornados para falsificar fatos.



Postar um comentário