Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Síria diz que relatório da OPAQ sobre ataque químico em Idlib é falso

O Ministério das Relações Exteriores da Síria fez um apelo para que a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) conduza um relatório imparcial e apropriado sobre o suposto ataque químico na região síria de Idlib.


Sputnik

Na última sexta-feira (30) a OPAQ afirmou que foi usado o gás sarin como arma química no ataque provocado em Idlib no dia 4 de abril.


A Syrian man is taken by civil defence workers to a small hospital in the town of Maaret al-Noman following a suspected toxic gas attack in Khan Sheikhun, a nearby rebel-held town in Syria’s northwestern Idlib province
Vítima do ataque químico, em Idlib, na Síria © AFP 2017/ Mohamed al-Bakour

"A República Árabe da Síria pede à OPAQ que apresente um relatório justo e crível, sem a influência da chantagem por parte de outros países e partidos, que impedem a organização de alcançar a verdade e prejudicam sua autoridade e independência", declarou a diplomacia síria neste sábado.

Na última sexta-feira a Coalizão Nacional das Forças da Revolução e da Oposição da Síria culpou o governo do presidente sírio Bashar Assad pelo ataque com armas químicas em Khan Shaykhun, que matou dezenas de pessoas, incluindo crianças.

A chancelaria síria, por sua vez, enfatizou que o relatório não pode ser considerado credível, pois é baseado em fatos fornecidos por terroristas da Turquia. De acordo com o ministério, o relatório contém testemunhos de pessoas que foram subornados para falsificar fatos.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas