Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Tropas sírias alcançam rio Eufrates

O exército sírio conseguiu chegar às margens do rio Eufrates e continua sua ofensiva contra os terroristas na província de Raqqa.


Sputnik

As tropas de Bashar Assad, lideradas pelo grupo de operações especiais Forças Tigre, conseguiram recuperar três aldeias, informa a agência Al Masdar.


Soldados sírios
Tropas sírias © Sputnik/ Michael Alaeddin

Após a libertação desses assentamentos, os militares sírios podem agora avançar até o rio Eufrates e a cidade de Deir ez-Zor. Esta cidade é o último baluarte do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países).

Além disso, estas três aldeias se localizam perto do campo de gás de Sabkhawi, que recentemente também passou para o controle das tropas governamentais.

Desde o início de julho, o exército sírio libertou mais de 40 instalações de petróleo e gás no deserto da Síria, ao sul de Raqqa. Antes de se porem em fuga, os terroristas destruíram uma parte dos poços petrolíferos.


Postar um comentário