Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Vice-premiê russo propõe construir 'S-300 de madeira' em território sérvio

O vice-primeiro-ministro russo Dmitry Rogozin acredita que a Sérvia não precisa dos complexos russos S-300 e que basta colocar peças de madeira simulando mísseis para assustar o Ocidente.


Sputnik

Em 2012, na cidade sérvia de Nis, foi fundado o Centro Humanitário Rússia-Sérvia para resposta a situações de emergência, o que, na opinião de Rogozin, por algum motivo causa medo aos países ocidentais.


Sistemas russos S-300 durante os treinamentos bilaterais de grande escala da defesa antiaérea e da aviação da Região Militar Ocidental
Sistema russo S-300 © Sputnik/ Ministry of Defence of the Russian Federation

"É por isso que digo que os sérvios não precisam de [complexos] S-300. Basta construir mísseis de madeira e eles [os países do Ocidente] vão morrer de medo", gracejou Rogozin.

Rogozin fez lembrar que a iniciativa russo-sérvia consistia em colocar o respectivo centro mais perto da Europa do Sul tomando em conta a experiência e as oportunidades tecnológicas — aviação e diferentes equipamentos de bombeiros — com o fim de "enviar forças e armas a partir da Sérvia e não de Moscou caso seja necessário", bem como garantir a desminagem e restauração de territórios que antigamente estavam repletos de minas e munições.

Ao falar das perspectivas do trabalho da entidade em Nis, o vice-premiê afirmou que ela deve "ser posta em forma".

Rogozin tem estado em visita à Sérvia nos últimos dias, tendo participado, particularmente, da cerimônia da tomada de posse do novo presidente Aleksandar Vucic.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas