Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vários mortos no confronto entres as forças de Maduro e rebeldes armados

Desfecho sangrento aconteceu durante a operação de captura de Óscar Pérez, que está entre os mortos.O piloto sobrevoou prédios do governo com um helicóptero roubado da polícia em junho do ano passado
Maolis Castro e Florantonia Singer | El País

Vários integrantes do grupo liderado pelo ex-policial Óscar Pérez morreram em um confronto com um coletivo – civis armados chavistas – e um comando da Força de Ações Especiais da Polícia Nacional, em que também morreram dois agentes e um militante chavista. Outros cinco membros do grupo foram presos em uma casa na região de El Junquito, no oeste de Caracas. 

O Governo venezuelano confirmou no início desta tarde que o próprio Pérez está entre os mortos. Seu nome se tornou conhecido em junho, quando roubou um helicóptero da polícia e sobrevoou a sede do Supremo Tribunal de Justiça e do Ministério do Interior. Nunca, em 18 anos de chavismo, ocorreu algo parecido na Venezuela.


O ex-inspetor do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalística…

Vice-premiê russo propõe construir 'S-300 de madeira' em território sérvio

O vice-primeiro-ministro russo Dmitry Rogozin acredita que a Sérvia não precisa dos complexos russos S-300 e que basta colocar peças de madeira simulando mísseis para assustar o Ocidente.


Sputnik

Em 2012, na cidade sérvia de Nis, foi fundado o Centro Humanitário Rússia-Sérvia para resposta a situações de emergência, o que, na opinião de Rogozin, por algum motivo causa medo aos países ocidentais.


Sistemas russos S-300 durante os treinamentos bilaterais de grande escala da defesa antiaérea e da aviação da Região Militar Ocidental
Sistema russo S-300 © Sputnik/ Ministry of Defence of the Russian Federation

"É por isso que digo que os sérvios não precisam de [complexos] S-300. Basta construir mísseis de madeira e eles [os países do Ocidente] vão morrer de medo", gracejou Rogozin.

Rogozin fez lembrar que a iniciativa russo-sérvia consistia em colocar o respectivo centro mais perto da Europa do Sul tomando em conta a experiência e as oportunidades tecnológicas — aviação e diferentes equipamentos de bombeiros — com o fim de "enviar forças e armas a partir da Sérvia e não de Moscou caso seja necessário", bem como garantir a desminagem e restauração de territórios que antigamente estavam repletos de minas e munições.

Ao falar das perspectivas do trabalho da entidade em Nis, o vice-premiê afirmou que ela deve "ser posta em forma".

Rogozin tem estado em visita à Sérvia nos últimos dias, tendo participado, particularmente, da cerimônia da tomada de posse do novo presidente Aleksandar Vucic.



Postar um comentário