Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

Vice-premiê russo propõe construir 'S-300 de madeira' em território sérvio

O vice-primeiro-ministro russo Dmitry Rogozin acredita que a Sérvia não precisa dos complexos russos S-300 e que basta colocar peças de madeira simulando mísseis para assustar o Ocidente.


Sputnik

Em 2012, na cidade sérvia de Nis, foi fundado o Centro Humanitário Rússia-Sérvia para resposta a situações de emergência, o que, na opinião de Rogozin, por algum motivo causa medo aos países ocidentais.


Sistemas russos S-300 durante os treinamentos bilaterais de grande escala da defesa antiaérea e da aviação da Região Militar Ocidental
Sistema russo S-300 © Sputnik/ Ministry of Defence of the Russian Federation

"É por isso que digo que os sérvios não precisam de [complexos] S-300. Basta construir mísseis de madeira e eles [os países do Ocidente] vão morrer de medo", gracejou Rogozin.

Rogozin fez lembrar que a iniciativa russo-sérvia consistia em colocar o respectivo centro mais perto da Europa do Sul tomando em conta a experiência e as oportunidades tecnológicas — aviação e diferentes equipamentos de bombeiros — com o fim de "enviar forças e armas a partir da Sérvia e não de Moscou caso seja necessário", bem como garantir a desminagem e restauração de territórios que antigamente estavam repletos de minas e munições.

Ao falar das perspectivas do trabalho da entidade em Nis, o vice-premiê afirmou que ela deve "ser posta em forma".

Rogozin tem estado em visita à Sérvia nos últimos dias, tendo participado, particularmente, da cerimônia da tomada de posse do novo presidente Aleksandar Vucic.



Postar um comentário