Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Zona fechada: agência turca revela dados secretos sobre bases americanas na Síria

A agência de notícias turca Anadolu publicou dados sobre a localização das bases norte-americanas na Síria.


Sputnik

Segundo a agência, desde 2015, duas bases estão em funcionamento na região de Rmeilan, província de Al-Hasakah. Em março de 2016, foi aberta uma base de helicópteros na região de Harab Isk da cidade de Ain al-Arab, que também serve de ponto de escala para um dos roteiros, por onde é fornecida ajuda militar aos curdos sírios.


Fuzileiros navais norte-americanos em al-Qaim, perto da fronteira síria, oeste do Iraque (Arquivo)
Fuzileiros navais norte-americanos em al-Qain, Síria © AFP 2017/ USMC

Além disso, foram mencionadas três outras bases na província de Al-Hasakah. Uma delas abriga cem militares norte-americanos e a outra — cerca de 150 militares. As bases são destinadas à luta contra os terroristas do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia). A agência turca destaca que há mais dois pontos, cheios de tropas americanas, na cidade de Manbij, de onde são realizadas operações contra forças do Exército Livre da Síria (ELS).

Três bases, de acordo com a Anadolu, estão situadas no norte de Raqqa. Em duas delas, além dos militares norte-americanos, há também franceses, escreve a agência. A terceira é utilizada para transferir equipamento às tropas curdas e também como centro de comunicação das forças da coalizão, sendo também lugar de operações, que visam interromper comunicações de militantes, diz-se no artigo.

A agência sublinha que os lugares, onde estão posicionadas as forças norte-americanas, são frequentemente designados como "zonas fechadas", por serem secretas. Militares de diversas bases mantêm contatos para realizar ataques aéreos e fogo de artilharia, treinam forças locais e são encarregados de planejar operações. Além disso, as unidades que participam das ações de combate são encontradas nessas bases secretas.

A Anadolu indica que as bases estão equipadas com baterias de artilharia de alta capacidade de manobra, lançadores múltiplos de foguetes, equipamento móvel para realizar vigilância e com veículos blindados, por exemplo, Stryker.

Foi informado também que, além dos principais pontos fortes, os EUA instalam seus soldados em lugares difíceis de serem detectados: em bairros residenciais, campos do Partido da União Democrática (PYD), bem como em fábricas, ou seja, em lugares que podem ser rapidamente convertidos em pontos de operações.



Postar um comentário