Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Ativistas afirmam que EI tem armas químicas na cidade síria de Raqqa

EFE

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) possui armas químicas na cidade síria de Raqqa, considerada a capital do califado proclamado pelos radicais, afirmou nesta terça-feira o Observatório Sírio de Direitos Humanos.


Imagem de membros da força de coalizão em Al Raqqa. EFE/STR
Imagem de membros da força de coalizão em Al Raqqa. EFE/STR

A ONG, que citou "fontes de confiança", apontou que o EI tem esse armamento nas zonas sob seu controle na cidade e expressou seu temor de que o grupo as utilize, já que dezenas de milhares de civis permanecem na localidade.

O Observatório não deu detalhes sobre o tipo ou a quantidade de armas químicas em poder dos extremistas.

No último dia 6 de junho, as Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas, iniciaram uma ofensiva em Raqqa, com o apoio da coalizão internacional comandada pelos Estados Unidos, que por sua vez enviaram efetivos especiais sobre o terreno.

Os combates entre as FSD e o EI se concentraram hoje no sul da localidade e no seu centro histórico.

A ONU calcula que permaneceram na cidade entre 20.000 e 50.000 civis, de uma população inicial de mais de 200.000 pessoas.



Postar um comentário