Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Chanceleres de Egito, Jordânia e Palestina publicam comunicado sobre Israel e Palestina

Os ministros de Relações Exteriores de Egito, Jordânia e Palestina publicaram um comunicado conjunto neste sábado (19) convocando a comunidade internacional a recomeçar negociações de paz entre Israel e Palestina, interrompidas em 2014.


Sputnik

"Os ministros das Relações Exteriores pedem à comunidade internacional que aumente os esforços para ajudar a criar um ambiente favorável e as condições necessárias para iniciar o processo de negociação [entre Palestina e Israel]", diz o comunicado, lido pelo chanceler egípcio, Sameh Shoukry.


Palestinos tentam remover parte da cerca israelense durante um protesto na Cisjordânia, em 30 de março
Palestinos junto a cerca israelense na Cisjordânia © REUTERS/ Mussa Qawasma

O texto ainda afirma que a falha em reconhecer os direitos dos palestinos é o motivo da crise na região. Além disso, o comunicado reconhece a importância dos EUA no processo de paz.

Os palestinos procuram reconhecimento diplomático para o seu estado nos territórios da Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, parcialmente ocupada por Israel, juntamente com a Faixa de Gaza. O governo israelense se recusa a reconhecer a Palestina como uma entidade política e diplomática independente, estabelecendo assentamentos nas áreas ocupadas, apesar das objeções das Nações Unidas. As negociações diretas entre os dois países foram interrompidas em 2014, quando ocorreu o último conflito armado entre Israel e o Hamas.


Postar um comentário