Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Japão defende aumento pressão sobre Pyongyang após oferta de dialogo dos EUA

O Japão defendeu nesta quarta-feira que se aumente a pressão sobre a Coreia do Norte, com o objetivo de que esta "mude suas políticas", e reiterou seu apoio total aos Estados Unidos, após a notícia de um possível diálogo bilateral sem condições prévias entre Washington e Pyongyang.
EFE

"Os dois líderes de Japão e Estados Unidos definiram sua política sobre a Coreia do Norte e esta inclui a máxima pressão sobre o país (...) Além disso, a Casa Branca confirmou que não mudou sua postura a respeito", afirmou hoje o ministro porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga.


Durante uma entrevista coletiva, Suga ressaltou "a estreita relação entre Estados Unidos e Japão", depois que o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, afirmou que a ameaça da Coreia do Norte é "a mais imediata" e que continuará com a diplomacia "com a esperança de êxito até que caia a primeira bomba".

Neste sentido, Tillerson se pronunciou ontem sobre a possibilidade de …

Coreia do Norte pode ter obtido motores de mísseis da Ucrânia

É possível que a Coreia do Norte tenha recebido através do mercado negro motores de mísseis produzidos pela fábrica ucraniana Yuzhmash, informa o jornal The New York Times citando dados secretos da inteligência norte-americana e a investigação do especialista do International Institute for Strategic Studies, Michael Elleman.


Sputnik

Ao analisar as fotografias em que o líder norte-coreano Kim Jong-un está examinando novos motores de mísseis, os especialistas chegaram à conclusão que sua aparência lembra os da época soviética. Atualmente, só há algumas fábricas que as podem produzir e estas se localizam no território da antiga União Soviética, escreva o jornal.


O líder norte-coreano, Kim Jong-un, observando teste de míssil Hwasong-14
Kim Jong-un observa teste do míssil Hwasong-14 © REUTERS/ KCNA

Segundo opinam os especialistas, a fábrica ucraniana Yuzhmash é "a origem mais provável dos motores" dos mísseis balísticos intercontinentais testados pela Coreia do Norte em julho. No entanto, hoje os analistas não possuem dados certos sobre quem poderia ter vendido as tecnologias de mísseis à Coreia do Norte.

"É muito provável que esses motores tenham sido trazidos da Ucrânia", declarou Elleman.

Não obstante, ele destacou que "quantos são e se os ucranianos os ajudam — é uma grande questão".

Pyongyang realizou, desde o começo deste ano, 11 testes de mísseis balísticos, inclusive lançamentos de supostos mísseis intercontinentais capazes de alcançar a parte continental dos EUA.

Em 2016, a Coreia do Norte havia levado a cabo mais de 20 lançamentos semelhantes, para além do quarto e quinto testes nucleares, não obstante as proibições do Conselho de Segurança da ONU.

No sábado (6), o Conselho de Segurança da ONU aprovou a ampliação das sanções contra Pyongyang. De acordo com previsões dos Estados Unidos, que apresentaram o projeto de resolução, se forem cumpridas por completo, as restrições permitirão reduzir em um terço o rendimento da Coreia do Norte, que totaliza atualmente cerca de três bilhões de dólares (R$ 9,4 bilhões).



Postar um comentário