Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

EUA se recusam a negociar com Coreia do Norte e podem optar pela guerra

Rússia está tentando promover um encontro direto entre as lideranças dos EUA e da Coreia do Norte, na tentativa de solucionar a crise na região.


Sputnik

A informação foi divulgada pelo jornal russo Izvestia, que citou fontes no ministério das Relações Exteriores do país.


Exercícios Foal Eagle com militares de EUA e Coreia do Sul (arquivo)
Exercício militar entre tropas dos EUA e Coreia do Sul © AP Photo/ Lee Jin-man

Os interlocutores do jornal destacaram que os diplomatas norte-americanos, sob diversos pretextos, continuam a recusar o diálogo. Entre outros motivos citados, os EUA não querem uma negociação direta, "justificando isso com ausência de um regime democrático e desrespeito aos direitos humanos na Coreia do Norte".

A Coreia do Norte, entretanto, concorda que as tensões na região devem ser reduzidas, a começar por um diálogo entre Pyongyang e Washington, sem intermediários.

"Nós, assim como o outros representantes do 'sexteto' [EUA, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha], tentamos há muito tempo organizar uma negociação direta entre os americanos e os norte-coreanos. Pyongyang insiste em realizar consultas sem intermediários. No entanto, agora a Coreia do Norte foi para um extremo, e os EUA para outro. Uns continuam a realizar testes nucleares, enquanto outros desenvolveram fixação por 'ausência de democracia e dos direitos humanos'", explicou a fonte na chancelaria de Moscou.

A Rússia teme que, na situação que se configurou, os norte-americanos podem acabar optando por uma solução militar para solucionar a crise na região.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas